julho 24, 2012

redes ardidas no tempo . . .

malhas feitas sacrifícios

no areal da memória
há poemas desumanos
fantasmas da nostalgia
dos ventos fortes da dor,
há enredos voadores
asas prenhes de ilusões
espelhos que nos iludem
encastoados de sonhos,
há brisas de incerteza
nas labaredas de sombras
iluminando os espectros,
malhas feitas sacrifícios
redes ardidas no tempo
em queimados artifícios .
poema e fotos:poetaeusou

28 comentários:

☆•.¸.Mildred.¸.•☆ disse...

Lindo como sempre!

No grande areal da vida
há momentos ínesquéciveis
momentos de intensa felicidade
momentos de insuportavel dor
e amigos para com eles partilhar
o melhor...
e por vezes também o pior!

***
Um beijo grande e feliz dia amigo poeta****

Filó disse...

Poema nostálgico ...
Na praia da vida,no areal das memórias os grãos de areia são feitos de sonhos, ilusões, alguma dor ..desencantamento, tudo faz parte...
Poeta LINDO, como sempre

BEIJINHO

OutrosEncantos disse...

musica tão linda
... ao som do teu poema melancólico.

beijo, poeta.

GarçaReal disse...

" No areal da memória" guardamos as mais diversas lembranças...Tempos idos, tempos recentes, tempos...Tantos e tantos que pairam...

Hoje sou eu que que te digo

Vive, vive, vive grande poeta

Deixa a tua alma tocar a felicidade.

Lindo, lindo , lindo

Pilipares tombados no areal

Bjgrande do Lago com amizade imensaaaaa

Ana Isabel disse...

Lindas as palavras e as imagens.

Como sempre..


Abraço

Ana Isabel

helia disse...

No areal da memória há alegrias e tristezas , os bons e maus momentos estão lá gravados.Mas a vale a pena viver !
Um Poema e umas fotos muito bonitos !

Agulheta disse...

Amigo poeta.Grande é a poesia seja nostálgica,alegre,e até para reflectir,as palavras nunca são demais aos olhares de quem as lê e sente.
As desculpas de andar pouco por aqui,mas nunca esquecida.Muito calor por estes lados e alguma coisa para fazer.
Beijos

Lilá(s) disse...

Os teus poemas continuam encantadores mas, agora sinto-te sempre nostálgico!
Bjs

Fa menor disse...

Pois... isso é o que há mais. Mas é preciso ir em frente, de cabeça erguida...
olha o mar mesmo ali!

Isamar disse...

É assim a vida de todos nós, poeta! Há tristezas, alegrias, lágrimas de umas e de outras mas temos de prosseguir se não queremos fazer parte desses despojos terríveis que estão depositados no "areal da memória". Há mais vida para viver, mais vida para amar e , quiçá, sofrer. Força amiga, embarca nas asas do vento e agarra sonhos que te façam acreditar que os dias de vento, de tempestade, de nevoeiro já lá vão.

Abraço amigo

Bem-hajas!

Sonhadora disse...

Poeta

Como sei desse despir de tudo o nos iluminou a vida e nos tatuou sorrisos no rosto e depois nos cinzelou a tristeza em cada poro da nossa pele.
Como sempre uma viagem IMENSA ler-te.

Um beijinho
Sonhadora

poetaeusou . . . disse...

*
☆•.¸.Mildred.¸.•☆
,
Amiga
,
sou barco inerte,
sem leme e sem mar !
,
remadas conchinhas,
deixo,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Filo
,
minha amiga
,
meus sonhos zarparam,
nas asas do vento !
,
conchinhas muitas, ficam,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Outros Encantos
,
Amiga
,
percorro o areal,
com pegadas de amargura !
,
conchinhas de estima,
deixo,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Garça Real
,
minha amiga
,
na barca do tempo,
procuro o meu porto !
,
nas margens do Lago,
pilipares, feitas conchinhas,
ecoarão eternamente !
*

poetaeusou . . . disse...

*
Ana Isabel
,
amiga
nas marés de solidão,
vive o silêncio das nortadas !
,
vividas conchinhas,
deixo,
*

poetaeusou . . . disse...

*
hélia
,
Minha amiga
,
nas brisas da memória,
as quimeras, vogam sem rumo !
,
um mar de conchinhas,
ficam,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Agulheta
,
Minha amiga
,
no mundo do encantamento,
a barca bela é rainha !
,
encantadas conchinhas
deixo,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Lilá(s)
,
Amiga
,
nas vagas da melancolia,
procuro o meu sossego . . .
,
vagas sucessivas
de conchinhas, deixo,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Fa menor
,
Amiga
,
no vai e vem do olhar,
naufragam encantos meus !
,
conchinhas, mil,
ficam,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Isamar
,
minha amiga,
,
embarcados nevoeiros,
profanam o Sol da esperança,
,
conchinhas, muitas,
aqui ficam,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Sonhadora
,
minha amiga
,
a Anémona de Sophia,
refulge como mil luzeiros,
,
cintilantes conchinhas,
ofereço-te,
*

© Piedade Araújo Sol disse...

a melancolia do poema, com as fotos muito expressivas.

beij

poetaeusou . . . disse...

*
Sol,
,
se eu fosse o Sol,
pairava sobre o horizonte,
“crepusculando” as noites !
,
conchinhas solares,
deixo,
*

Magia da Inês disse...

彡✿✿⊱╮
São lembranças, lembranças e mais lembranças.
Bom fim de semana!
Beijinhos do Brasil
✿彡¸.•°`♥✿⊱╮

poetaeusou . . . disse...

*
Magia da Inês
,
querida amiga,
penso que já repeti,
porém,
vou insistir,
,
Guitarras e sanfonas,
Jasmins, coqueiros, fontes,
Sardinhas, mandioca
Num suave azulejo
E o rio Amazonas
Que corre trás-os-montes
E numa pororoca
Desagua no Tejo...
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal:
Ainda vai tornar-se um império colonial!
(sem colonialistas).
,
do Chicão, claro !
,
imperiais conchinhas,
deixo,
*

Papoila - BF disse...

Sempre belas as palavras e as imagens.

BF

poetaeusou . . . disse...

*
Papoila - BF
,
Papoilas são um encanto,
sempre, sempre, sempre !
,
encantadas conchinhas,
ficam,
*