julho 29, 2012

e sem portagens . . . amar !

stops que não mereço
o esmeraldino arvoredo

são vermelhos
os teus olhares
stops que não mereço
e que me faz ruborizar,
eu sei que a imagem,
não válida, á primeira vista,  
obriga a auto-defesa,
mas, é belo o seu contrário,
quem ama,
não confronta, entrega-se . . .
no rio da reciprocidade
os tons escarlates, omitindo,
procurando, os serenos verdes
nas margens da esperança,
ah, como acalma contemplar
o esmeraldino arvoredo
onde o rio em segredo
desliza com placidez
gemendo de quando em vez
num murmurar de dor,
procurem (diz) a ponte do amor
e sem portagens . . . amar !
poema e fotos:poetaeusou

24 comentários:

Evanir disse...

Existe um lugar onde tudo é possivel.
Onde o amor é verdadeiro.
Onde se acorda em paz…
Onde as flores tem um cheiro especial…
E os abraços vem acompanhados de muito amor.
Este lugar é meu coraçäo…
É neste lugar que eu guardo as pessoas que amo .
E que nunca as esqueço.
Sou feliz por você morar no meu coração.
Com carinho e saudades desejo um abençoado final de semana.
Beijos carinhosos,Evanir.

Ana Isabel disse...

As imagens poéticas são lindas..

Portagens?? Passamos sem pagar..


Abraço amigo


Ana Isabel

Teresa Durães disse...

sim, sempre sem portagens. Mas é tão difícil!

Andradarte disse...

Procurarei....mesmo com portagens.!!
Abraço

Filó disse...

Um poema ternurento e Lindo
Poeta, Amar é ter a certeza da entrega com reciprocidade, sem dúvida... É bom atravessar as pontes do amor, sem portagens,...e luz verde!

Beijinho

MEU DOCE AMOR disse...

Olá:

Existe uma ponte sim...mas está muito esfrangalhada e muitos que por lá passam desequilibram-se...

Mas um dia ela será robusta...acho eu.

Beijinho doce:)))esperando tua visita.

gota de vidro disse...

Olá amigo de sempre

Na vida o caminho é longo...Por vezes leve...Outras tantas e muitas são complicadas. É ent~eo que esbarramos nessas portagens. Aí temos que parar , pensar, decidir, e mesmo hesitar.
Nem sempre a resposta é concreta.
aentão voamos para o tal lugar onde tudo é possível...

É tão bom ler-te...............

Bjito da gota..eheh que também voa nas asas de uma ave....

Pilipares pingados de gotas



Jitos da Gota

poetaeusou . . . disse...

*
Evanir
,
Amiga,
como é enorme o teu coração.
tem o tamanho do Éden, o celestial Jardim,
aromas, sabendo a canteiros,
bálsamo de paz e concórdia,
perfume de solidariedade
odor do amor em todas as vertentes !
,
um jardim de conchinhas,
deixo,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Ana Isabel,
,
Gratificado fiquei,
,
eu alinho,
não pagamos, não pagamos,
não é original,
mas, é fundamental !
,
conchinhas, muitas, ficam,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Teresa Durâes
,
amiga,
,
e se o difícil

tornar-se fácil ?
,
um mar de conchinhas,
deixo,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Andradarte
,
Amigo
,
é na procura,
que encontramos a sabedoria !
,
um abraço,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Filó
,
querida amiga,
,
verde é a ternura
o enternecimento é esmeraldino,
esverdeada é a meiguice,
e a brandura ? é doçura . . .
,
doces conchinhas,
ficam,
*

poetaeusou . . . disse...

*
MEU DOCE AMOR
,
querida amiga,
,
ainda bem,
que eu aproveitei o liquido residual,
aquando no ventre da minha Mãe,
aprendendo, por instinto, a nadar,
e que tem ajudado a transpor as pontes
existenciais intermitentes, que encontrei,
nesta caminhada, com Porto de partida
e sem certeza de chegada a algum Cais !
,
como não te visitarei ?
se envio como penhor,
marés cheias de conchinhas ?
*

poetaeusou . . . disse...

*
gota de vidro
,
“Gémea” amiga,
,
como discrepantes são os caminhos,
distintos, diferentes, dissemelhantes,
e nascidos da mesma raiz,
(a)lagados da mesma realidade,
ou na Real Ave . . . srsrsrsr .
que não seja Fénix e porque não ?
se “tudo” torna e renasce das cinzas !
,
feliz me sinto,
vidrado em conta gotas,
pililipando no lago do meu sonho,
conchinhando nas marés da pacatez !
*

Nivea disse...

Olá...!

Como navegar em águas poéticas, repletas de suavidade e doçura e não ficar cativa?

Poeta, o teu poetar seduz a minha retina, a virtualidade que liberta a imaginação, acaba por aprisionar-me.

Consegues reunir na mesma alma ousadia e humildade e sem pagar tributo.

Instigas a arte de pensar, inspira a criatividade...

Uma primazia, este teu poema!

Com carinho e admiração
N.N

Fa menor disse...

Belas imagens!

e como belas são as pontes para o amor, sem portagens!

Bjos

Solange disse...

amar sem portagens..
conseguimos, se tentarmos..

bjs.Sol

:.tossan® disse...

As poesias que você faz merecem que liguem todos os stops, os teus, deixa que eu mesmo ligo e levo o vinho. Abraço amigo

Daniel Costa disse...

Poetaeusou

A serenidade do mar, ainda que vendo-se faixas vermelhas, há sempre o rio para navegar, um universo para amar. Para o amor não há portagens.
Reportando-me - por duas vezes ouvi a voz de Manuel de Almeida, no seu "PICADEIRO", em Cascais.
Um grande abraço

poetaeusou . . . disse...

*
Nivea
N.N.
,
minha desconhecida, amiga virtual,
se eu fosse, São Francisco de Sales,
Padroeiro da Comunicação,
ordenava ao Bill Gates, que intercedesse,
junto do novo Boss destas virtuais estradas,
que visualizasse o rosto dos anónimos,
só para ter o prazer . . .
de te conhecer !
,
um mar de conchinhas,
deixo,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Fa menor
,
aponte a ponte,
no ponte da ponte,
ponteando a ponte cruz,
os cerzidos pontos . . . da ponte !
,
conchinhas, nuitas,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Solange
,
como é bom amar,
em todas as vertentes do amor,
amar o próximo mais do que a nós mesmos,
por exemplo !
,
amadas conchinhas,
ficam,
*

poetaeusou . . . disse...

*
tossan
meu bom Irmão,
que mais te posso responder ?
,
Olha,
a letra de um canção de Carlos Mendes !
>>>>> a Festa da Vida <<<<<
,
Que venha o sol o vinho as flores
Marés canções todas as cores
Guerras esquecidas por amores;
Que venham já trazendo abraços
Vistam sorrisos de palhaços
Esqueçam tristezas e cansaços;
Que tragam todos os festejos
E ninguém se esqueça de beijos
Que tragam prendas de alegria
E a festa dure até ser dia;
Que não se privem nas despesas
Afastem todas as tristezas
Pão vinho e rosas sobre as mesas;
Que tragam cobertores ou mantas
O vinho escorra pelas gargantas
E a festa dure até às tantas;
Que venham todos de vontade
Sem se lembrarem de saudade
Venham os novos e os velhos
Mas que nenhum me dê conselhos!
,
Um abração,
Meu Irmão,
(destas lides)
*

poetaeusou . . . disse...

*
Daniel Costa
,
com ele convivi, imberbe,
nos anos sessenta,
estava ligado á Hotelaria
e, na altura, por cada cliente,
enviado para as casas de fado,
tínhamos uma comissão de 5$00,
alem de um bom petisco, era permitido
um fadinho cantado por curiosos, EU …
no Café Luso ou no Conde do Vimioso,
amei um fado, cantado por Hélder António ???
( foste embora,
Sem uma explicação,
Voltas agora
Implorando o meu perdão,
Julgas talvez
Que esse teu arrependimento,
Compensa as horas amargas,
Do teu afastamento,
Não, isso não
Não te posso perdoar,
Nada tenho que te dar,
Nada quero que me dês,
Não, isso não,
Dar-te agora o meu carinho,
Seria abrir-te o caminho,
Para me deixares outra vez
,
Mais ou menos assim !
,
Amigo,
um abraço fadista,
deixo-te,
*