fevereiro 22, 2012

o amor que me prendeu, desfez-se em fumo !

navego agora em mar de calmaria .
e ao leme do esquecimento .
deixo para trás, as minhas mágoas
.*****
abri os meus neurónios
nas cinzas de quarta-feira
omitindo o Carnaval,
não quero ser, a borralha
que anuncia a frustração
alterando o sim, num não
na fogueira que sustenta
a incineração do amor .
jamais sofrerei
com a minha desventura,
vou ser um mar de batalhas
vencendo laços inseguros
que me dão só amarguras,
abrirei brechas nos meus muros
repartindo a minha dor
com o ar frio das agruras,
e sem de aqui sair,
bem longe, algures,
conquistarei as ironias
que tu nunca entendestes,
perdidas nas ventanias !
palavras e fotos:poetaeusou.

20 comentários:

Evanir disse...

Querido venho te deixar um beijo desejar um linda noite.
Uma quarta feira extraordinariamente
feliz.
Beijos no coração.
Evanir..

Luís Coelho disse...

A batalha do amor continua e nunca terá tréguas.
Que tarde venha esse dia de esquecimento e de silêncio total.
Que o vento sopre e faça desaparecer todas as cinzas que nos sofocam os sentidos.

Filó disse...

Um poema dorido
Sente-se nas tuas palavras o sofrimento pelas agruras e desventuras que encontras-te na tua caminhada....
Poeta, porque não festejas-te o Carnaval ?
Vais com toda a certeza ultrapassar esse mar de batalhas que dizes ter pela frente conquistando laços e afectos, como só tu sabes...

Um Beijinho

São disse...

Amigo, amar quem nos não quer ...não vale , relamnete , a pena.

Um abraço forte


POR FAVOR, tira estas palavras surrealistas : é a querta tentativa!!!!

poetaeusou . . . disse...

*
Filó,
,
Linda,
que elegantes palavras,
feitas ondas de conforto,
nas marés de iernura que tu ÉS !
,
obrigado companheira de estrada .
,
não, não Carnavalei este ano,
o motivo ? é simples, fiz greve !
E pela primeira, acredita !
,
Linda,
viver é aceitar o bem e amenizar
o mal, é uma luta diária, até
á libertação total,que queiramos
ou não, é a passagem, para o outro
lado, misterioso da Vida !
,
ternurentas conchinhas, deixo-te !
*

Magia da Inês disse...

Um amor se cura com outro...
Bom dia!
(⁀‵⁀,)
¸`⋎´
¸.•°`♥
Beijinhos.
Brasil

TITA disse...

Gostei deste passo novo que o poema revela.Tenho a certeza,poeta que conseguirás vencer esta batalha pois te recusas a ficar com um pé dentro do túmulo do desamor...Será assim?Um abraço de mar.

Secreta disse...

Deixar para trás as mágoas e seguir em frente com esperanças renovadas... fantástico.
Beijito.

São disse...

OBRIGADA; EU QUERIDO AMIGO!!!!

BEM HAJAS!!!

Baby disse...

Quantas vezes um mar de calmaria só o é à superfície e lá por baixo fervilham tempestades que limpam os caminhos e nos fazem olhar com clarividência e sabedoria.

Um abraço amigo.

Francy´s disse...

Abrir brechas no meu...é tudo que eu gostaria.
belas palavras.
Um abraço

Ana Isabel disse...

Para onde vou não sei..
O que farei..sei lá..


Depois do vendaval..vem sempre a bonança.


Abraço

elvira carvalho disse...

Excelente poema, bem "casado" com as fotos.
Um abraço e bom fim de semana

Cinza disse...

Olá boa tarde! gratas são as memórias da Nazaré para mim, S. Pedro Moel o pinhal... Gratas e motivo de divagação em poema ou em prosa e acompanhadas destas maravilhosas imagens e palavras cheias de beleza com as suas um verdadeiro canto eterno. Deixo um beijinho e agradeço a sua visita, cada palavra que me deixou e o facto de adicionar-me. Desejo um feliz fsemana por esses lugares de sonho.

Luis disse...

Meu Bom Amigo,
Tem sido com muito agrado que o vi voltar ao nosso convívio. Se não tenho comentado tem sido só por falta de tempo mas não tenho deixado de o acompanhar. Este poema e as suas fotografias que o acompanham são prova da sua sensibilidade.Ainda bem que regressou!
Um forte e amigo abraço.

Lilá(s) disse...

Que garra poeta!!Em frente é o caminho...
Bjs

Duarte disse...

Assim, é como dá gosto navegar.
Como já te disse algures, não te ponhas metas, navega.
Como bem sabes a vida é uma luta continua, não decaias nunca, segue o teu rumo: e tão feliz!
Um grande abraço, amigo Zé

:.tossan® disse...

És a própria poesia! Ela é contínua....E as fotos são excelentes como a primeira.
Abraço amigo

GarçaReal disse...

Sabes amigo de há tanto...Este teu poema é algo que habita em mim....Talvez a necessidade de partir e buscar águas calmas me levem por vezes a achar que este não é o meu mundo...
As cinzas têm que ficar pelo caminho e as batalhas terão que recomeçar , talvez num caminho com outra direccção.

"Muda de rumo, muda de rumo, que lá vem outro carreiro"....Assim cantava o saudoso Zeca.

Adorei

Consegues sempre suplantar-te.

Bom fim de semana

Bjgrane do Lago com muita amizade

Lilazdavioleta disse...

Mas abrir brechas em muros já é uma forma de encontrar outros caminhos e quiçá construir pontes ...


Um beijo , Poeta ,
maria