maio 12, 2009

>>>>>>>>>>>>>>>>>>> memórias <<<<<<<<<


fustigo o vento
da minha memória,
gruta esquecida
no pátio do tempo,
lembranças paridas
de cumplicidades gastas
embalam silêncios
nas marés que perdi ,
poema-fotos-poetaeusou

72 comentários:

Ana Martins disse...

"fustigo o vento
da minha memória..."

Maravilhoso, profundo!

Beijinhos,
Ana Martins

neide disse...

Belo! As fotos estão lindas!

Ótima semana.

Bjsss

Sonia Schmorantz disse...

Muito bom, texto e imagens!
abraço e boa semana

poetaeusou . . . disse...

*
Ana Martins
,
sempre simpatica,
grato,
,
conchinhas de Luz, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
neide
,
ai esses olhos,
contêm tanta bondade,
obrigado,
,
brisas de amizade, envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Sonia Schmorantz
,
gratificado fico,
obrigado,
,
conchinhas floridas,
,
*

Juani disse...

hay ciertos recuerdos que aveces es mejor dejarlos olvidados
saluditos

Justine disse...

A adequação das fotos às tuas palavras é sempre perfeita(ou será ao contrário? Curiosa por conhecer o método criativo:)) )

GarçaReal disse...

O vento da tua memória que embala a tua vida na beleza de um sentir.

As fotos num embalo de um poema e belas

Que a semana te encha de luz

Bjgrande do Lago

Para a linda um pilipar voante e garçante

poetaeusou . . . disse...

*
Juani
,
sim,
existem recordações que ferem,
esquece-las, é uma forma de
mitigar-mos a dor . . .
,
conchinhas de amizade, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Justine
,
a criatividade é ilógica,
a inspiração não tem amarras,
nasce selvagem, na realidade
pode ser uma foto, um olhar,
uma palavra, um dito, um sonho,
uma data, um anseio, um querer,
o passado, o presente, adivinhar
o futuro, um comentário teu,
já aconteceu, uma flor, seara ao vento
e o meu amor o mar, sentir e ouvir o
seu marulho entre brisas e maresias,
beijando as rochas que são areia
condensada e devido á erosão do mar
e ventos em simples areal se torna,
o pilipar das gaivotas saudando o
marejar das marés num amanhecer
de paz ou num ocaso de fogo, um
pôr-do-sol, que espera por nós,
embelezando o afastamento da terra,
na sua orbita, na espera do amanhã,
para novamente nos iluminar . . .
,
não é assim, Galileu ???
,
maresias de encantos,
te envio, amiga,
,
*

Clotilde S. disse...

Bela e metafórica expressão de sentires.

És um Poeta de corpo inteiro, de alma grande !

Tudo de bom para ti , amigo!

Deixo-te aromas de Maio e a Paz dos Anjos.

poetaeusou . . . disse...

*
GarçaReal
,
vendaval de embalos
retalhos de vida
memória perdida
de erros e regalos . . .
,
serena semana amiga,
,
pilipares para a garcinha,
marés de luz para ti,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Clotilde S.
,
a vida é uma metáfora
uma imagem transladada,
nas palavras figurativas
dos escritos declarados,
é o tudo e o nada,
na insignificante totalidade,
,
hoje estou confuso, amiga,
srsrsr,
,
marés de Maio,
de um mar sereno, te envio,
,
*

mdsol disse...

A gruta é tão bonita. Porque estará esquecida?

:))

Filó disse...

Um poema triste, que fala de memórias, tempo já passado,silêncios embalados em cumplicidades..
Poeta, tudo o que nos rodeia, começando por nós mesmo, somos responsáveis por o Tudo ou Nada.
Quanto a mim confesso, que o nada pouco me importa, visto não me ter esforçado para que fosse de outra maneira,tudo por Amor à minha família e amigos.
Desde que eles estejam bem, para mim chega.
Agora não prescindo mesmo é das minhas memórias, boas, donde brotaram grandes Amigos...
è impossível esquecê-los, e aqui sim , tem de ser o TUDO !

Meu amigo Poeta,
envio-lhe um abraço (embalado em maré alta !)e o desejo de uma excelente semana..

Teresa Durães disse...

um poema de desalento...

Fragmentos de Elliana Alves disse...

Que lindo poeta...
Parabéns.Adoro teu cantinho.
É maravilhoso.Bjsssssssss e bom dia!

poetaeusou . . . disse...

*
mdsol
,
espero que de gruta esquecida
passe a gruta da ressurreição .. . ..
,
conchinhas, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Filó
,
amiga,
sinto-me fustigado
com o vento do nada,
um nada cru e nu,
desnudando o tudo,
o tudo esquecido,
na espera da farta maré,
marés que no vai e vem,
silenciam, embalos perdidos,
,
suaves maresias, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Teresa Durães
,
desânimo
em palavras desmerecidas,
,
conchinhas,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Fragmentos de Elliana Alves
,
vejo favos de mel
nas tuas doces palavras,
,
agradecido fico,
enviando-te serenas conchinhas,
,
*

Madalena disse...

Tu nunca perdes as marés, Amigo. Tu és Maré.

:)

Beijinhos saudosos.

utopia das palavras disse...

Cheiros e tactos
olhares...
retratos
do tempo
que me consentiu!

As fotos partilham essa memória, poeta!

Beijos

lilás disse...

Beleza, nesta maneira de exprimir sentires!!!

Tatiana disse...

A profundidade das palavras...
tocam de forma intensa o Sentir!

Um abraço carinhoso

Fa menor disse...

"As memórias são como livros esquecidos no pó"...

Bjinhos

carmen disse...

Poeta és:

Seu espaço é muito lindo!!! Tanto a música, quanto as fotos. as poesias, o Layout...

São de deixar o quei xo caído!!!

bjs

poetaeusou . . . disse...

*
Madalena
,
acontece que as marés
vão e vêm, amiga,
,
um mar de encanto, envio-te,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
utopia das palavras
,
tacteio
retratos do tempo
olhares da memória,
partilhando cheiros,
,
luzentes conchinhas, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
lilás
,
obrigada amiga,
,
sentidas conchinhas, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Tatiana
,
há palavras que tocam . . .
não tenho duvidas . . .
,
tocadas conchinhas, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Fá menor
,
boa imagem, a tua,
,
Bjis.,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Cármen
,
ruborizado fico, cármen,
,
brisas serenas, envio,
,
*

gaivota disse...

estes passeios que andas a fazer por aí... memórias em grutas esquecidas!
não percas a maré, meu amigo, nunca!
piliparesssssssssss

©tossan disse...

Viagens de vidas ao vento onde alcança a memória. Abraço amigo

Multiolhares disse...

Talvez quando as cumplicidades ficam gastas já não o sejam,perdem-se muitas marés isso faz parte da vida,mas também se ganham outras maées, prefiro olhar o melhor que a vida traz embora por vezes seja mesmo difícil.

beijos nossos

poetaeusou . . . disse...

*
gaivota
,
são as marés,
que trazem as ondas,
surfando as memórias,
das vagas esquecidas,
,
pilipares,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
tosan
,
vendavais vividos . . .
,
aquele abraço, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Multiolhares
,
ocasiões escolhidas,
em ondas da vida,
onde as marés complicadas,
são as mais desejáveis.
,
beijos nossos
,
*

elisabete disse...

ola amigo poeta,1.vc mora numa cidade das mais lindas do nosso pais,que sorte. 2.adorei o seu blog,admito nao conhecer os trabalhos do miguel torga,mas pelo que vi,gostei imenso do blog.obrigado vou seguir o seu cantinho.saudaçoes

elisabete disse...

ola de novo,queria dizer que esta musica memory é extraordinaria.aconselho tambem kenny g.experimente vera que tambem gosta.uma boa noite pra si

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

O vento.... a pequena brisa, sempre nos leva a pensar, a voltar no tempo.
Simplesmente poesia, por si mesma! Divina!
Uma boa semana para você.
beijossssssssssss
tenho novidades.

Ana Ramon disse...

O teu poema deixa-me de novo com o coração a sangrar.
Um beijinho

Duarte disse...

Palavras cheias de carácter...

Gostei.

Um grande abraço

Marlene Maravilha disse...

Mas estao lá,guardados na memória.
Bonito. Sempre bonito, profundo e sensível.
As fotos sao ma ra vi lho sas! Todas!!
beijo grande!

poetaeusou . . . disse...

*
elisabete
,
grato pela visita,
,
a Nazaré no mínimo é a Praia
mais Típica de Portugal . . .
Amiga
não compreendi a sua referencia a
Miguel Torga, o Dr. Adolfo Rocha,
foi um dos expoentes máximos da
literatura Portuguesa !!! . . .
,
Eu,
um poetaeusou ...com reticencias,
,
conchinhas de amizade, envio.
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
elisabete
,
conheço bem kenny g.
no próximo post
sigo o seu conselho e
postarei o IF,em video que adoro,
,
serenas conchinhas.
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
MARTHA THORMAN VON MADERS
,
poesia
é vento saído
da alma das palavras . . .
,
irei cuscar
srsrsr
,
um mar de jinos
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Ana Ramon
,
não mereço tanto, amiga,
mas se são recordações tuas,
separa o trigo do joio
como tu sabes fazer,
deixa o estio fazer a sua missão,
e continua a dar-nos lições
de pura beleza,
da natureza que amas . . .
.
um mar de conchinhas, envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Duarte
,
Igual ao carácter
que também demonstras . . .
,
o Cunho de antanho,
sempre actualizado
nas agruras da vida,
Indo e resistindo
ás modas efémeras
destas sociedades sem farol . . .
,
aquele abraço, meu amigo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Marlene Maravilha
,
ELE, lhes dá um mundo belo
e perfeito para desfrutarem.
,
in _ génesis
,
Conchinhas de Paz, envio,
,
*

Isabel José António disse...

Amigo Poeta,

Lindíssimo poema das memórias já idas. Muitos parabéns.

Juntei todas as memórias
De tudo por onde andei
E delas só guardei glórias
Das forma com que me dei

Dei de mim mais que o amor
Dei toda uma vida inteira
Dei sorrisos fadigas e dor
Dei esgar sem eira nem beira

Larguei memórias e o passado
Hoje só caminho no presente
E tenho o Mundo todo abraçado
Neste meu coração tão quente

Um grande abraço para si.

José António

Carla disse...

em silêncio sinto a cumplicidade destas imagens a envolverem-me
beijos

KrystalDiVerso disse...

Pois é, amigo Poeta!... Resta sempre a sensação da memória; admiravelmente, a memória cada vez mais se converte numa lágrima sensitiva que tentamos segurar com o carinho multiplicado de outros tempos! Essa lágrima, memória legítima de sensações, é um enorme universo onde a vida que passou, continua presente e vai passando... por nós!
Com meia dúzia de palavras, caro Poeta, denunciou um universo de sensações... poéticas!

Escolha entre... beijos e abraços

São disse...

Aprecio imenso grutas, o que não deixa de ser estranho dada a minha claustrofobia.

As mais recentes foram as do Dragão em Maiorca: fabulosas!

Saudações.

poetaeusou . . . disse...

*
Isabel José António
,
memórias larguei
nos caminhos da dor
Irmanando uma flor
ás memórias que juntei,
,
um amigável abraço,
envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Carla
,
as imagens
do silencio,
,
conchinhas, envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
KrystalDiVerso
,
memórias
são ficheiros ocultos,
de empacotados passados,
,
um abraço,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
São
,
dragão ?
brevemente vou
passar por Maiorca
num Cruzeiro
pelas redondezas,
penso que a estadia
são 12 horas, pode ser
que o tempo dê …
,
conchinhas de luz, envio,
,
*

Daniel Costa disse...

Poetaeusou

O tempo corre, fica uma identidade erguida!
Quem é comtemplativo, vê e retém-se a imaginação.

cristal disse...

Memórias que se colam à pele, que doem...
Mas também doces memórias se colam à pele e (ainda que por um momento fugaz) nos devolvem o sorriso...
Triste e bonito este momento de embalados silêncios na travessia do pátio do tempo.
As suas palavras trouxeram-me à "lembrança" um poema de Miguel Torga musicado e cantado por Rui Veloso(que ouvi hoje logo pela manhãzinha) e que me atrevo a transcrever:

"A vida é feita de nadas
De grandes serras paradas
À espera de movimento;
De searas onduladas pelo vento;

De casas de moradia
Caídas e com sinais
De ninhos que outrora havia
Nos beirais;

De poeira;
De sombra de uma figueira;
De ver esta maravilha:
Meu pai a erguer uma videira
Como uma mãe que faz a trança à filha"

Adorei!!

Muito Obrigada

Abraço amigo

mariam disse...

Poeta,

Tão intenso! Este pequeno grande poema...

perdeu umas, ganhou outras...
__ a Vida é mesmo assim ___ :)

lindas as imagens! (como sempre)

um grande abraço e um sorriso :)
mariam

Nocturna disse...

É isso Poeta
Temos que fustigar o vento da memória.
Mas as recordações por vezes estão já tão esbatidas.
Belo poema e como sempre bem acompanhado de sugestivas fotos.
Um abraço
Nocturna

Maria P. disse...

Gruta esquecida, mas a Casa tenta não esquecer os Amigos, cuidado podes ser a próxima vitima, não foi só o Eduardo...:)

Beijinho*m*

poetaeusou . . . disse...

*
*
Daniel Costa
,
concordo,
porém,
o tempo é um sugadouro,
da vitalidade humana . . .
,
aquele abraço Daniel,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Cristal
,
embalado
com as tuas palavras,
sem as minhas fiquei . . .
grato pelo teu carinho,
,
amiga
eis Miguel Torga
,
As pessoas afivelam uma máscara,
e ao cabo de alguns anos acreditam
piamente que é ela o seu verdadeiro rosto.
E quando a gente lha arranca, ficam em carne viva, doridas e desesperadas, incapazes de compreender que o gesto
violento foi a melhor prova de
respeito que poderíamos dar . . .
,
In-miguel Torga - Diário –
,
conchinhas serenas, envio
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
mariam
,
até nas perdas ganhamos
no mínimo a experiência de …
,
um mar de sorrisos, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
nocturna
,
o vento
a tempo
toda a cor debota,
,
grato amiga
,
suaves brisas,
deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Maria P.
,
com ou sem Grandola,
tu ordenas,
se me deres essa honra, põe
uma violacea flor, de cor
lilás, roxa ou violeta . . .
,
as minhas cores favoritas,
srsrsr
,
bji,h,
,
*

Ana disse...

À distância parece que todas as memórias vêm embrulhadas em melancolia.
E como poderia não ser assim?

Infeliz de quem não as tiver como companhia.

E essas fotos...

Beijinho

poetaeusou . . . disse...

*
Ana
,
amiga
se alguns não pensam
outros desconhecem que o
presente é evolutivo, o hoje
será passado, como podem sentir
a nostalgia, a melancolia do não
feito, o parar para reflectir,
,
ar e vento é meio sustento,
dizem por aqui . . .
,
acontece que o ar vai perdendo
qualidade e o vento é vário
como eu, talvez, sei lá . . .
,
conchinhas amigas, envio,
,
*