abril 24, 2009

>>>>>>>>>>>>>>>>>>> é amanhã <<<<<<<<<


bestas de carga (exposição no C.C.N.)

trago em mim
o vermelho e o negro
das traídas madrugadas,
amanheceres enjeitados
esventrando as esperanças,
vamos acabar em nós
a multiplicação dos fúteis,
escolhos das ruas nuas
de esperas em testamento,
é amanhã, a desiludida aurora,
feita povo, feita nada,
cravos, cravados em escravos
nos jardins da desconfiança
usurpam o meu olhar,
nas descoloridas pétalas
de jasmim, lírios, girassóis,
giestas do campo e cidade,
sardinheiras nas varandas,
amores-perfeitos sonhados,
gritos de aloés escarpados
no vermelho, feito negro,
sangrando, a minha alma.
texto e vídeo:poetaeusou
( fotos pretextadas )

69 comentários:

Fa menor disse...

Vermelhos e negros...
cores com que muitas vezes vestimos o coração.

Que o amanhã revele as cores das flores!

beijinhos

Isa disse...

Bom dia,Amigo.
Quem nos dera que o amanhã sorrisse. Vamos acreditar.
Beijo.
isa.

gotadevidro disse...

Vermelho é Abril...

Pena que cores bonitas tenham ficado pedidas em longos caminhos e estejam com dificuldade em florir de novo.

Um sorriso para um renascer

Bom fim de semana

beijinhos

Justine disse...

Muita coisa ficou, Poeta, é preciso olhar para o que melhorou, para termos força de continuar a luta pelo que ficou por fazer...
O teu poema é triste, é preciso que seja também de esperança!

utopia das palavras disse...

Alvo
o teu sangue
rubro
pingo de dor
solitário
chorado
da sua cor
Mas amanhã
reviverá
nas flores libertadas
confiante
porque ainda há
madrugadas...!

Mais esperança, poeta!

Um beijo, rubro

GarçaReal disse...

Recordo esse àmanhã....Tão longe daqui...
E recordo esse tudo após....

Fecho os olhos , pois há muito para não recordar.

Bom Fim de Semana

bjgrande do Lago em pilipares

R.G. disse...

É amanhã
e eu recordo histórias
de um tempo que não vivi...
Beijo perdido

Papoila disse...

Querido poeta:
Vermelho e Negro e Maria Guinot!
Os Cravos continuam vermelhos por mais negras que algumas almas sejam...
Cravos de Abril para ti!
Beijos

Eduardo Aleixo disse...



Um 25 de Abril sempre no nosso coração.
O teu poema é muito bom.
Abraços meus.

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Poeta,

Palavras quando sangram dessa forma, emocionam...

''conchinhas''.

Rebeca

-

lua prateada disse...

Esperemos e não desesperemos que o amanhã nos sorria...
Passando para dizer :Vive de maneira a poderes aprender a amar,
ama de maneira a poderes aprender a viver.
Não necessitas de nenhuma outra lição...
E como o FDS está aí então que seja ele para expandires teu coraçao.
Beijinho prateado

SOL

Multiolhares disse...

No fundo todos nós somos culpados por os cravos não serem regados, pois tão culpados são os que não regam como aqueles que negam a agua ou mesmo os que não deixam que a agua corra na terra

beijos nossos

Filó disse...

POETA

Suas cores são fortes e pesadas..
Este é um POSt triste que me leva a escrever em jeito de desabafo que:
Tenho sido alvo de muitas críticas, umas boas , outras menos boas mas com todas elas tenho aprendido., assim deve ser.
Num ápice elevaram-me aos Céus
e sabemos que quanto mais de soube , maoir é o tombo,
Agora sou um pouco, de tudo solidão, amargura, medo , incertezas,doente demente ,etc..
Sou corpo inerte , até já morri. Ouvem -se memórias, lendas e narrativas...
Agora sei que não sou Poetisa
Não sou letrada, nem intelectual
Minha certeza é que vou escrever ainda minhas frases inacabadas..
Dizem até que sou Fadista, sem saber cantar,
No entanto sou Feliz , porque sou e pertenço ao Povo
Com Ele, canto minha alma com respeito pelos outros.
A minha maior riqueza é ter a certeza de que aos poucos e poucos vou voltando para junto dos meus afectos e até de mim...
O maior bem e inestimável valor é o de querer deixar aos meus netos um princípio tão simples, como sermos nós próprios e verdadeiros com nossos defeitos e virtudes.
E já agora também vale a pena sorrir.

Viva a liberdade com amizade e amor entre TODOS, pudesse eu ser pomba branca, batia de porta em porta e deixaria a essência da PAZ !

Poeta UM ABRAÇO AMIGO

Sonia Schmorantz disse...

A amizade é o conforto indescritível de nos sentirmos seguros com uma pessoa, sem ser preciso pesar o que se pensa, nem medir o que se diz.
(George Eliot)

Tenha um final de semana com muito carinho.
Um abraço

cristal disse...

Sim é amanhã o Dia em que se comemora a LIBERDADE.
A Liberdade que aconteceu em Abril...
Esse Abril tão longínquo mas ao mesmo tempo tão presente nas nossas memórias e nos nossos corações...
Liberdade "conseguida" pelos soldados de armas adornadas de cravos vermelhos...
E o Povo veio para a rua saudar alegremente a Liberdade... e deram-se as mãos...
E é tempo de reviver Abril...e de novo se darem as mãos!
Vamos acreditar que ainda é possível sonhar Abril!

Abraço Grande Poeta
e
Bom fim de semana

Ana Martins disse...

É amanhã poeta, 35 anos passados e o futuro adivinha-se tão negro!

Lindo o seu poema!!!!!!!!

Beijinhos e bom fim de semana,
Ana Martins

Papoila disse...

Sim é amanhã.. e por isso passei hoje para te deixar um beijo de liberdade...
Ando ausente por falta de tempo mesmo. Mas hoje tinha de passar e festejar convosco esta noite que nos abriu tantas portas .. até de comunicação.

Beijo Poeta da Liberdade
BF

Beatriz disse...

ola Poeta!
Boa noite.
Venho desejar um excelente fim de semana...
que o vermelho e o negro traga mais esperança...
Deixo um beijo e o meu sorriso.
Bea

MEU DOCE AMOR disse...

Abril vermelho,mas alma cinzenta...

Beijinho doce

http://projectoamizade.blogspot.com/

Carminda Pinho disse...

Poeta,
o "ontem" foi negro para muitos.
O hoje é vermelho(já desmaiado, mas vermelho, ainda).
Não podemos deixar que haja mais bestas de carga.
O teu poema é lindo, cheio de cores e cheiros de flores.
O painel da exposição também, também é muito bonito. Obrigada por o partilhares.

Beijinhos.

Maria Faia disse...

Excelente!
Fui ver a exposição na antiga Lota e, adorei.
Hoje venho desejar um feliz dia da Liberdade.
Que as comemorações deste dia de Libertação renovem em nós a esperança na construção de uma sociedade mais justa, fraterna e solidária.

Um abraço amigo,
Maria Faia

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Canção do dia de sempre

Tão bom viver dia a dia...
A vida assim, jamais cansa...
Viver tão só de momentos
Como estas nuvens no céu...
E só ganhar, toda a vida,
Inexperiência... esperança...
E a rosa louca dos ventos
Presa à copa do chapéu.
Nunca dês um nome a um rio:
Sempre é outro rio a passar.
Nada jamais continua,
Tudo vai recomeçar!
E sem nenhuma lembrança
Das outras vezes perdidas,
Atiro a rosa do sonho
Nas tuas mãos distraídas...
Mário Quintana

Meus votos de um excelente final de semana, junto
às pessoas que ama.
Um abraço do amigo

Eduardo Poisl

São disse...

Negros e vermelhos ao som de uma canção estupenda, parabéns.
Feliz 25 de Abril, Nazareno!

Elcio Tuiribepi disse...

Olá amigo, obrigado pelas palavras lá no Verseiro...belo poema com um tanto de tristeza, mas o que passou, passou...e a liberdade apesar de ontem, está viva, sorrindo dentro da gente...Um abraço na alma

poetaeusou . . . disse...

*
Fa menor
,
Meu canto se renova
E recomeço a busca
De um país liberto
De uma vida limpa
E de um tempo justo
Porque o poema
É a liberdade
,
In- Sophia de M, Breyner
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Isa
,
Original é o poeta
que se origina a si mesmo
que numa sílaba é seta
noutro pasmo ou cataclismo
o que se atira ao poema
como se fosse um abismo
e faz um filho ás palavras
na cama do romantismo.
,
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Gotadevidro
,
Como casa limpa
Como chão varrido
Como porta aberta
Como puro início
Como tempo novo
Sem mancha nem vício
,
In- Sophia de M, Breyner
,
brisas de liberdade, dou
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Justine
,
Meu amor meu amor
meu corpo em movimento
minha voz à procura
do seu próprio lamento.
,
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
utopia das palavras
,
Como a voz do mar
Interior de um povo
Como página em branco
Onde o poema emerge
Como arquitectura
Do homem que ergue
Sua habitação
,
In- Sophia de M, Breyner
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
GarçaReal
,
Original é o poeta
de origem clara e comum
que sendo de toda a parte
não é de lugar algum.
O que gera a própria arte
na força de ser só um
por todos a quem a sorte faz
devorar um jejum,
,.
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
R.G.
,
Sei que seria possível construir
o mundo justo
As cidades poderiam ser claras e lavadas
Pelo canto dos espaços e das fontes,
,
In- Sophia de M, Breyner
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Papoila
,
Meu limão de amargura
meu punhal a escrever
nós parámos o tempo não
sabemos morrer
e nascemos nasce-mos
do nosso entristecer,
,.
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Eduardo Aleixo
,
O céu o mar e a terra estão prontos
A saciar a nossa fome do terrestre
A terra onde estamos —
se ninguém atraiçoasse — proporia
Cada dia a cada um a liberdade e o reino,
,
In- Sophia de M, Breyner,
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
~*Rebeca e Jota Cè*~
,
Meu amor meu amor
meu nó e sofrimento
minha mó de ternura
minha nau de tormento,
,
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
lua prateada
,
Na concha na flor no homem e no fruto
Se nada adoecer a própria forma é justa
E no todo se integra como palavra em verso
Sei que seria possível construir a forma justa
De uma cidade humana que fosse
,
In- Sophia de M, Breyner
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
,
Multiolhares
Eram meus os olhos que te olharam
Nem este corpo exausto que despi
Nem os lábios sedentos que poisaram
No mais secreto do que existe em ti.
,
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Filo
,
Fiel à perfeição do universo
Por isso recomeço sem cessar
a partir da página em branco
E este é meu ofício de poeta
para a reconstrução do mundo,
,
In- Sophia de M, Breyner
,
brisas de liberdade, dou
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Sónia Schmorantz
,
Original é o poeta
expulso do paraíso
por saber compreender
o que é o choro e o riso;
aquele que desce á rua
bebe copos quebra nozes
e ferra em quem tem juízo
versos brancos e ferozes.
Original é o poeta
que é gato de sete vozes,
,,.
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
cristal
,
A cidade é um chão de palavras pisadas
a palavra criança a palavra segredo.
A cidade é um céu de palavras paradas
a palavra distância e a palavra medo.
,
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Ana Martins
,
este mar não tem cura este céu não tem ar
nós parámos o vento não sabemos nadar
e morremos, morremos,
devagar . . . devagar. . . .
,
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Papoila
,
A palavra sarcasmo é um cravo rubro.
A palavra silêncio é uma rosa chá.
Não há céu de palavras que a cidade não cubra
não há rua de sons que a palavra não corra ,
,
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Beatriz
,
Fecham-se os dedos donde corre a esperança,
Toldam-se os olhos donde corre a vida.
Porquê esperar, porquê, se não se alcança
Mais do que a angústia que nos é devida?
,
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
MEU DOCE AMOR
,
A grande solidão que de ti espero.
A voz com que te chamo é o desencanto
E o espermen que te dou, o desespero.
,
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Carmindo Pinho
,
A cidade tem praças de palavras abertas
como estátuas mandadas apear.
A cidade tem ruas de palavras desertas
como jardins mandados arrancar.
,
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Maria Faia
,
E as palavras que ferem.
Da noite que nos gera, e nós amamos,
Só os astros trazemos.
A treva ficou onde
Todos guardamos a certeza oculta
Do que nós não dizemos,
Mas que somos,.
,
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
UMA PAGINA PARA DOIS
,
Original é o poeta
que chegar ao despudor
de escrever todos os dias
como se fizesse amor.
Esse que despe a poesia
como se fosse uma mulher
e nela emprenha a alegria
de ser um homem qualquer.
,
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
São
,
Com fúria e raiva acuso o demagogo
Que se promove à sombra da palavra
E da palavra faz poder e jogo
E transforma as palavras em moeda
Como se fez com o trigo e com a terra,
,
In-ary dos santos
,
brisas de liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Elcio Tuiribepi
,
De longe muito longe desde o início
O homem soube de si pela palavra
E nomeou a pedra a flor a água
E tudo emergiu porque ele disse
,
In- Sophia de M, Breyner
brisas de liberdade, dou,
,
*

Maria P. disse...

Hoje e sempre, vermelho.

Beijinho, e um cravo*m*

Ana disse...

Que maravilha vim aqui encontrar, nas uas palavras deste belissimo poema e nas fantásticas imagens, e como já te considero meu amigo vou deixar aqui este meu testemunho:
O meu pai trabalhava na VA, foi um grande profissional e era muito inteligente. Lia muito, em matemática e português era uma "barra" e só tinha a antiga 3ª. Classe. Eu com 5 anos já escrevia o meu nome, conhecia os números e sabia muitas coisas, porque ainda era filha única.
Era meio-dia desse fatídico dia o apito da fábrica tocou a minha mãe dirigia uma loja com os meus avós maternos, (que também vendiam louça) mas que davam almoço a mais de vinte trabalhadores da fábrica. Eu estava sentadinha à espera do meu pai na cozinha no topo de uma mesita onde ele comia com mais 3 colegas. Ele entrou muito triste, quase nem olhou para mim nem me fez a festa que costumava fazer. Levou a minha mãe para o quarto, e estiveram, lá fechados, algum tempo. Eu não entendia nada.
Saíram os dois com os olhos de quem tinham estado a chorar.
Ele não comeu, disse que não tinha grande fome, ela serviu os clientes com um olhar que eu desconhecia nela, perguntavam-lhe estás triste mulher? Ela abanava a cabeça a dizer que não.
Os funcionários da ex-Pide que aguardavam por ele na fábrica tinham-lhe transmitido para ele ir a casa, não contar nada a ninguém, que levasse alguma roupa, que dissesse à mulher que se calasse e que apenas ia para um interrogatório.
Ele chamou-me ao quarto e à minha mãe beijou-nos com lágrimas nos olhos e saiu, (apenas deixou que a minha mãe servisse os clientes, que só pagavam no fim de cada quinzena, quando recebiam).
À noite não voltou e eu não entendi nada, fazia perguntas e ninguém me respondia.:-(
A minha mãe só chorava. Depois apareceram lá em casa cinco mulheres amigas que choravam com ela (mulheres dos outros 5 que foram com ele). As seis foram a casa do Director da fábrica que não as atendeu, a seguir foram a Aveiro ao Governador Civil ao Dr. Vale Guimarães. Ele atendeu-as e transmitiu-lhes que eles estavam bem, em Coimbra, apenas para interrogatório. Uma delas da Vila de Vagos implorou de joelhos aos gritos que intercedesse por eles todos, que eram todos boas pessoas e que não eram contra o Governo. Ele tranquilizou-as dizendo que ia fazer alguma coisa.
E lá estiveram 6 Meses em Coimbra na penitenciária. Eu visitava-o sempre todas as semanas, íamos de comboio ou de autocarro.
Em Abril de 1974 o meu pai estava já doente na cama, mas ainda sorriu e viveu feliz aquele tempo que se seguiu.
Logo a seguir foi publicado o livro 25 de Abril que lho li e ele já à beira do fim.
Faleceu em Novembro desse ano, vítima de cancro.

VIVI O 25 DE ABRIL DE 1974, NA ALTURA COM VINTE ANOS DE IDADE, COM UMA ALEGRIA EXTAZIANTE, NA ESPERANÇA QUE TUDO MUDASSE E FELIZ PORQUE O MEU PAI TAMBÉM ESTAVA, E ATÉ PENSEI QUE OS MÉDICOS ESTAVAM ENGANADOS PORQUE SENTI MELHORAS NA SUA DOENÇA.

Ouvi hoje os nossos governantes na televisão e já nada me diz.

Os ricos estão mais ricos e os pobres ainda mais pobres.


UM BOM FERIADO E VAMOS TER ESPERANÇA QUE TUDO MUDE

Um grande beijinho amigo.

Ana disse...

Bem vou até terras de Santa Maria da Feira visitar os meus queridos descendentes. Faz hoje 33 anos que dei entrada no hospital para dar à luz a minha filhota, mas aquela "safada" só nasceu na madrugada de 27.:-)
Desculpa aquele desabafo todo, mas preocupo-me com o futuro do meu neto e da que está a chegar em fins de Junho e de todas as crianças que serão os homens de amanhã.
Os "homens" do meu tempo não souberam aproveitar nada e só estragaram tudo.
Vamos ter esperança.
Um beijinho grande,
Ana Paula

poetaeusou . . . disse...

*
Maria-P
,
Nasci
aqui
ao pé do mar
duma garganta magoada no cantar.
Eu sou a festa
inacabada
quase ausente
eu sou a briga
a luta antiga
renovada
ainda urgente.
,
in-josé fanha,
,
brisas de liberdade, deixo,
h,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Ana
,
Amiga
curvo-me á memória
do teu Progenitor,
bem-hajas
pelo PAI que tiveste !!!
,
em sua homenagem,
,
Era uma vez um país
onde o pão era contado
onde quem tinha a raíz
tinha o fruto arrecadado
onde quem tinha o dinheiro
tinha o operário algemado
onde suava o ceifeiro
que dormia com o gado
onde tossia o mineiro
em Aljustrel ajustado
onde morria primeiro
quem nascia desgraçado
Era uma vez um país
de tal maneira explorado
pelos consórcios fabris
pelo mando acumulado
pelas ideias nazis
pelo dinhiero estragado
pelo dobrar da cerviz
pelo trabalho amarrado
que até hoje já se diz
que nos tempos dos passado
se chamava esse país
Portugal suicidado.
,
in-ary dos santos
,
brisas de Liberdade, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Ana
,
Esta espaço é teu, dispõe
sempre que te aprouver ...
,
Nasci
deste lado da cidade
nesta margem
no meio da tempestade
durante o reino do medo.
Sempre a apostar na viagem
quando os frutos amargavam
e o luar sabia a azedo.,
,
in-josé fanha
,
brisas de liberdade, deixo,
,
*

Daniel Costa disse...

Poetaeusou

Supless e tudo vermelho, como os cravos de há trinta e cinco anos.
Abraço,
Daniel

Princesa disse...

E viva a liberdade e todos que para ela de algum modo contribuiram
um beijo

poetaeusou . . . disse...

*
Daniel Costa
,
Eu sou português
aqui
em terra e fome talhado
feito de barro e carvão
rasgado pelo vento norte
amante certo da morte
no silêncio da agressão.
,
in-José Fanha
,
um abraço
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Princesa
,
Foi então que Abril abriu
as portas da claridade
e a nossa gente invadiu
a sua própria cidade.
Disse a primeira palavra
na madrugada serena
um poeta que cantava
o povo é quem mais ordena.
,
in- ary dos santos,
,
brisas de liberdade,
,
*

as velas ardem ate ao fim disse...

Feliz dia da Liberdade!

poetaeusou . . . disse...

*
as velas ardem ate ao fim
,

Eu sou português
aqui
no teatro mentiroso
mas afinal verdadeiro
na finta fácil
no gozo
no sorriso doloroso
no gingar dum marinheiro.
,
in-josé fanha,
,
brisas de liberdade,
,
*

Duarte disse...

Um canto para uma liberdade e um futuro que nunca chega... lindo!

Zé, as tuas palavras estão carregadas de verdade.
Duma tensão acumulada, candente.
Um halo de tristeza, numa esperança que tarda.
Convém não baixar a guarda e seguir em frente.
Sempre com dignidade, é o único que ainda temos!

Um forte abraço, apoiado na esperança, amigo!

mariam disse...

Poeta,
belíssimo post!
estive fora, passo agora só p'ra deixar um grande abraço e um beijinho
mariam

Císa disse...

Nossa...

Esse poema sou eu?

Trago em mim todas essas coisas...

Parabens,poeta, pela sensibilidade e obrigada por me trazer a tranquilidade de que não sou só eu que trago tudo isso em mim...

Beijo carinhoso,

Luz,muita luz na sua vida!

* Císa *

poetaeusou . . . disse...

*
Duarte
,
vou cantando
o canto
do desencantado
encanto . . .
,
um abraço, forte,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
mariam
,
e a luz da felicidade
iluminou, com a tua visita,
este recanto, obrigado,
,
guardei o abraço e o beijinho,
entre as brisas do meu olhar,
,
conchinhas serenas. te envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Cisa
,
os poemas são de quem os lê,
logo, são teus, mantém o que,
contigo trazes, Cisa,
,
brisas de luz, envio-te
,
*

MEU DOCE AMOR disse...

Gostava de saber porque é que a tua música ouve-se até ao fim e a minha não.

Já venho

poetaeusou . . . disse...

*
MEU DOCE AMOR
,
Linda
,
tira o codigo
e torna a põr,
,
fica operacional
,
jinos
,
*

ellen disse...

Ficava bem aqui o Barco Negro da Amália cantada pela Dulce Pontes :)

como faz para os vídeos ficarem desse tamanho mais pequeno? eu não consigo faze-lo. Pode ensinar-me?

Aguardo que me diga algo. Obrigada.
Beijinho.