julho 12, 2010

.................................... eu sou a espécie rara



vou dunar os passos
nas escoras dos odores
desnudando preconceitos
que me atrofiam a mente,
eu quero renascer
nas dunas dos meus suspiros
prados de memórias vivas
entre as marés e as seivas,
eu sou a espécie rara
planta da heroicidade
arrojando ter nascido
nas areias salinadas,
selvagem sem ser agreste
contrapondo aos espinhos
do olhar quando me fitas,
só porque não acreditas
que o cardo que vês em mim,
não, não é flor de jardim,
mas tem a força de amar !
poema e fotos: poetaeusou

65 comentários:

SAM disse...

Poeta,


"...desnudando preconceitos
que me atrofiam a mente,
eu quero renascer..."

É realmente um renascer!

“não, não é flor de jardim,
mas tem a força de amar !


Amor..Que força!


linda semana, poeta.

M@ria disse...

linda postagem poeta.....ameiiii

Não importa para onde vamos seguindo,
entre nós sempre haverá a lembrança
de um olhar, de um carinho,
e da integridade de momentos sinceros.

- Mario Quintana –

Amor e paz na sua semana...Beijos mil !

antonio - o implume disse...

Nem toda a pureza é agreste...

Isa disse...

Meu querido Poeta,pois é quantas vezes a flor mais linda e pura parece aos olhos dos outros um cardo...Mas os olhos do Amor sabem
reconhecê-lo!
Lindo. Tudo!
Beijo.
isa.

AFRICA EM POESIA disse...

poetaeusou


que bom ver-te aqui.

Gosto de ti e das....

tuas conchinhas.

elas têm magia.


Um beijo


FOTOS FABULOSAS e poema Lindo
Um beijooooooooooo

Ana Martins disse...

Boa noite poeta,
e a força de amar vence qualquer obstáculo.

Beijinhos,
Ana Martins
Ave Sem Asas

ANTOLOGIA POÉTICA disse...

"Tem horas em que, de repente, o mundo vira pequeninho, mas noutro de repente ele já torna a ser demais de grande , outra vez. A gente deve esperar o terceiro pensamento"

Guimarães Rosa


Beijos & poesia na sua noite!!

Vieira Calado disse...

E não há tantas poesia, amigo,

nessas ervas que nascem e vivem

no mais árido das dunas?

Saudações poéticas

Cildemer disse...

Tanta poesia no texto e nas fotos!

"o cardo que vês em mim,
não, não é flor de jardim,
mas tem a força de amar !"

Certos cardos fazem flores lindíssimas e são bastante dignos de amor:o)

"contrapondo aos espinhos
do olhar quando me fitas"
Parece-me que anda por aqui e aí muita coisa piquante;o)

***
Uma maré de beijos não piquantes*******

Ana disse...

Ter a força de amar! Espécie rara!

Um beijo, Poeta *

Fernanda disse...

Querido amigo Poeta das conchinhas!

Perdoe-me a ausência. Não foi esquecido! Nem abandonado!
Gosto demais do que escreve para ficar longe!

Como já me habituou, as fotos são fabulosas. Apetece roubá-las...
O poema fala-nos de uma forma metafórica, por analogia com as plantas ditas bravias, selvagens, e o homem que aparentemente áspero, do que é saber amar com doçura e ardor.

Lindo!
Beijinhos

Na casa do Rau

Amor feito Poesia disse...

Já chamei pessoas próximas de "amigo"
e descobri que não eram...
Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada
e sempre foram e serão especiais para mim.

(Clarisse Lispector)

Agradeço sua visita,sua amizade e seu carinho....Beijos muitos !

helia disse...

"que o cardo que vês em mim,
não, não é flor de jardim,
mas tem a força de amar !"
Que bonito e que poético!
Gostei muito.
Uma boa semana feliz e com mais Poemas.

Filó disse...

Do pó da areia
Rompe uma espécie rara
A planta de heroicidade,
Nascida nas dunas
Do teu olhar,
Entre o sal e a areia
Corre a seiva de uma planta silvestre
Uma força,renascida no jardim do Amor
Poeta que Lindo!

Um beijo amigo

Oliva verde disse...

Obrigada Poeta por nos dares palavras tão belas!
Um abraço

Vanda Mª Madail Rafeiro disse...

"Dunar os passos..." - linda imagem que soa na minha imaginação.

E cardos, e cactos até... dão flores belas, fortes... como muito sentimento.

Gostei.
Um abraço, Poeta!

Secreta disse...

Tem a força unica do amor...
beijito.

OutrosEncantos disse...

Flor de jardim, pode ser linda, mas às vezes tem veneno...
Cardo é planta selvagem, bem mais linda e natural que a de jardim, sobrevive e sobrevive... e suas folhas são cheias de água que mata a sede.
E se você é cardo, deixe que lhe diga que é bem lindo, por fora e por dentro.

Trouxe metade das suas conchinhas p'ra lhe deixar com beijinho

© Piedade Araújo Sol disse...

e se tem a força de amar...entãp esta tudo dito.

belo poema. belas fotos.

beijo de maresia

Barbara disse...

Sobre dunas espalhastes
conchinhas.
(pedaços de ti)

Mariazita disse...

Estive cá ontem, vi as fotos, lindíssimas, e li o poema, também muito bom.
Interromperam-me (isto de ser dona de casa não é mole, não...) e acabei por não comentar.
Mas ainda venho a tempo, não?
Claro que o selvagem que não é agreste tem toda a força de amar! Alguém duvida???

Deixo beijinhos espalhados nas dunas

Insana disse...

ai Poeta sempre tao doce com as palavras amante dos sentimentos.
eu me perco aqui na duvida que tenho se o amor ainda existe.

bjs
Insana

Duarte disse...

Dunas de areia dourada salpicadas de verde: a beleza das areias em movimento da nossa terra que esse vento arrasta dia a dia.

Os versos possuem a garra que só tu lhe sabes dar.

Um grande abraço

rouxinol de Bernardim disse...

Inovação, originalidade, poesia com sinal mais!!!

JB disse...

Ninguém escolhe a sua origem. E, na verdade, todo o ser encerra um lado mais "selvagem" que em nada condiciona a sua beleza natural ...
Poema de uma beleza rara, isso sim!

plantinhas azuis, sem preconceito, aqui deixo.

Multiolhares disse...

Mas do cardo nasce a flor, e nas areias do tempo sobrevive,e se é alimento para as abelhas e se das abelhas sai o mel, porque será que alguém pode olhar os cardos e não sentir o colorido de um jardim um jardim onde perdura o odor do amor

beijos nossos

Baila sem peso disse...

Salinadas dunas tão coloridas
que choram não ser de jardim...
não, não a deixes pensar assim...
que a força de amar
é como elas, quando florescem
selvagens, agrestes...crescem
na mais pura razão de ser
aos olhos de quem as vê crescer...
com a areia por ameia
e o céu por castelo
no mar a respirar
toda a beleza as faz vibrar!

Nesse bonito colorido
de um chão tão apetecido
com a tua palavra
fica um beijo bailando
com teu lindo sentido...
se é que me é permitido!? :)

(não tenho tido oportunidade
de pisar meu areal :( ...contento-me com fotos, o que não está nada mal :) )

tossan disse...

Tens a força do amor em poesia e as dunas dirão. Abraço

gaivota disse...

e que espécie... à moda da praia...que lindo poema, na areia, nas dunas a norte...
tá bem, fica assim!
pilipares

poetaeusou . . . disse...

*
SAM
,
no jardim das tuas palavras,
renovam dunas de amor !
,
conchinhas,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
M@ria
,
E se o Quintana sabia …
,
bisas serenas,
*

poetaeusou . . . disse...

*
antonio - o implume
,
. . . no agreste transmontano
como escreveu Miguel Torga
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Isa
,
amiga,
pois é,
a primeira vista,
por vezes engana-nos !
,
brisas suaves, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Ana Martins
,
o amor tem a beleza,
de um sorriso de criança !
,
um mar de luz,
deixo,
*

poetaeusou . . . disse...

*
ANTOLOGIA POÉTICA
,
O mundo
é uma bola que rebola,
e cada volta que dá
muda a face das coisas !
,
conchinhas,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Vieira Calado
,
no estéril areal,
“provetam” palavras
que desassossegam !
,
abraço,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Cildemer
,
as tuas palavras
são canteiros floridos,
da Nazaré, o meu jardim !
,
adocicadas marés,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Ana
,
espécie rara,
é o amor !
,
brisas nocturnas, deixo,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Fernanda
,
como são belas
as urzes do campo
e as giestas da serra !
,
Marés de estima,
Ficam,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Amor feito Poesia
,
Amigos cento e dez, ou talvez mais,
eu já contei. Vaidade que eu sentia,
julguei que nesta Terra não havia
mais ditoso mortal entre os mortais!
Um dia adormeci profundamente:
ceguei. Dos cento e dez houve um somente
que não desfez os laços quase rotos.
"Que vamos nós, diziam, lá fazer?
Se ele está cego, não nos pode ver!"
Que cento e nove impávidos marotos!
,
In-Camilo Castelo Branco
,
conchinhas

poetaeusou . . . disse...

*
helia
,
campesinas flores,
são gritos ao vento,
difundindo amizade !
,
um mar de luz,
deixo,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Filó
,
as Dunas
são a transição
da insalubridade,
da fertilizada terra
e o areal salgado !
,
Adocicadas maresias,
Ficam,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Oliva verde
,
amiga
ruborizado fiquei,
um obrigado
em conchinhas floridas !
-

poetaeusou . . . disse...

*
Vanda Mª Madail Rafeiro
,
sinto a minha sede,
mitigada nas tuas palavras,
como um cacto do deserto !
,
brisas serenas, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Secreta
,
o amor
tem a força
das flores silvestres !
,
marés de carinho, deixo,
*

poetaeusou . . . disse...

-
OutrosEncantos
,
quanta abnegação
têm os cardos e os cactos,
a água que absorvem
estão sempre ao dispor
de quem precisa !
,
um mar de encanto, fica,
*

poetaeusou . . . disse...

*
© Piedade Araújo Sol
,
mar
o que nos rodeia
é sentir a força do mundo !
,
nocturnas maresias, deixo,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Barbara
,
tenho os olhos
rasas de conchinhas,
que te deixo .
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Mariazita
,
vens sempre a tempo,
porque o tempo somos nós !
,
Conchinhas “dunares” deixo,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Insana
,
o amor nunca morre, na
mente dos racionais, como
prova o meu amor pelas Dunas !
,
vagas de amores, deixo-te,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Duarte
,
Amigo,
amar as Dunas,
é comungar com a flora,
que eivadas de sal na seiva
resistem aos vendavais
cativando as areias !
,
um abraço,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
rouxinol de Bernardim
,
no salitre das maresias !
,
Saudações,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
JB
,
são aniladas,
as tuas palavras,
de sabor azulado,
marinho, de origem . . .
,
conchinhas mareantes,
deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Multiolhares
,
porque os cardos
são esquecidos
ante as rosas espinhosas
espinhos que os cardos têm,
eclipsados pelas rosas !
,
beijos nossos,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Baila sem peso
,
como são lindas
as tuas palavras
,
olho as Dunas,
salpicando o areal
num baile de brisas verdes
de aromas, sabendo a mar !
,
brandas maresias, deixo,
*

poetaeusou . . . disse...

*
tossan
,
Amigo,
,
dunas
são poemas esmeraldinos
salpicando o areal !
,
conchinhas,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
gaivota
,
se uma gaivota voasse,
emitindo pililipares
eu cantava pelos ares
para que o verão acabasse
srsrsrsr,
,
ontem fui ã praia
em frente á tua rua,
o areal estava esgotado
pensei que estava “tuderique”
afinal, era gentinha da Fátima !
,
pililipares,
,
*

Paula Barros disse...

Sempre é bom nos desnudar dos preconceitos.

E a força de amar...sentir forte....como é forte a força, o olhar, o toque...de amor.

abraço

São disse...

"Selvagem sem ser agreste" porque tens uma enorme sensibilidade!

Um abraço sensível, Nazareno.

FlorAlpina disse...

Olá Poeta,
Que força de poema...
Na beleza das palavras envolventes que dignificam a espécie rara...

Bjs dos Alpes( em breve no seu/meu mar...)

poetaeusou . . . disse...

*
Paula Barros
,
o amor
faz dos fracos
forte gente !!!
,
puritanas conchinhas,
ficam,
*

poetaeusou . . . disse...

*
São
,
sensibilidade
é a arma dos pacíficos !
,
brisas serenas,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
FlorAlpina
,
os Alpes ao nível do mar,
só ao alcance de quem sonha,
,
aquietadas maresias,
deixo,
,
*

VASCODAGAMA disse...

Amor desnudado....por ti conquistado....
Sem amor não sei viver....
Amar é loucura e prazer....

Obrigada pelo comentário no m/blog
AMO ler o que escreve....

VOU VOLTAR

poetaeusou . . . disse...

*
VASCODAGAMA
,
*
Grato amiga,
,
não sei se mereço
as tuas palavras,
,
conchinhas
*