julho 05, 2009

>>>>>>>>>>>>>>>>vestidos de verde<<<<<<<<<


pendurava poemas

video

fosse eu arvore
folheava sombras
em pleno inverno,
nos ramos despidos
pendurava poemas
vestidos de verde,
e na primavera
nos abraçados rebentos,
cantava os outonos
filhos dos estios,
ouvindo Vivaldi
nas quatro estações
que esperam por mim.
poema-fotos-video .poetaeusou

62 comentários:

Ana Martins disse...

Se o poeta fosse árvore, cada folha seria um poema!

Beijinhos,
Ana Martins

Ana disse...

Seria bonito, sim.
Mas árvore escreve em blogue?
Ainda não?

Então prefiro-te assim, humano.

Beijinho

helia disse...

"Se fosse árvore..." Mas como não é continue a pendurar os seus lindos Poemas no seu blog, para delícia de quem os lê.

poetaeusou . . . disse...

*
Ana Martins
,
poemas,
são rebentos
da Natureza . . .
,
marés serebas
te envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Ana
,
Francamente !!!
as arvores cantam,
escrevem e falam,
como provou a Floribela,
valha-me a T V I,
e a Santa Moura Guedes,
hehehehehehe,
,
maresias chuvosas, envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
helia
,
amiga
grato pela simpatia,
,
os poemas
são sempre de quem os lê,
,
tenho andado arredado das
visitas, pelo que desculpa,
,
conchinhas serenas, deixo,
,
*

RETIRO do ÉDEN disse...

Poeta Nazareno,

Amo demais as árvores...

"Rosinha minha Canoa" de
José Mauro de Vasconcelos veio cimentar ainda mais esse amor por elas...

...-Minha vontade era ser logo grande: ser logo moça...
-Há tempo para tudo,minha filha.
-Não tenha pressa em olhar o rio, minha filha...

.....

...é mais fácil Nininha ir embora nele...
Pena que tenha nascido tão perto do rio!...
baixou a cabeça e por um momento vieram-lhe as lágrimas.

Lindo poema...
Obrigado por me ter feito reler estes maravilhosos textos cheios de sensibilidade de JMauro de Vasconcelos.

Por aqui o céu está embrulhado e cinza claro...

Bom Domingo
Forte abraço,
Mer

Ana disse...

E eu consegui ouvir "four seasons" na tua bela poesia.
Já viste que sem as árvores não havia também livros?
Hoje a maior parte não compra livros, mas eu continuo a comprá-los, especialmente aqueles Tesouros que nos fazem entrar como protagonistas da narrativa.
Sabes poeta gostava que vestisses as árvores nuas no inverno com folhas da tua poesia, estou a imaginar e a ver muita gente a apanhar as folhas e a deliciarem-se a lê-las.
Adorei tudo, as belas imagens, o vídeo e a tua poesia, posso dizer uma coisa e não vais levar a mal? É das melhores que já li aqui neste teu fantástico espaço.:-)
Já te disse que tens um selo no meu Blog para ti? E um postal? Não? Ai esta minha cabecinha! Vai lá buscar anda.
Jinhossssssssssssss

Filó disse...

Que poema Lindo, emocionei-me..
Com muito verde, suas palavras são poemas que abraçam..
São vida, nas quatro estações de Vivaldi...
Obrigado, Poeta, por mais este poema ...vestido de verde !

Um Abraço Amigo

Multiolhares disse...

As estações estão aí, vestindo e despindo o arvoredo,para que tu com a tua caneta "varinha de condão" possas fazer magia em poemas.

beijos nossos

paula barros disse...

Não sendo árvore
É poeta
Está presente nas quatro estações
Soprando vento nas emoções
Esquentando e florindo a alma
Plantando sorrisos
Alegrando os corações.


Fotos e poema belíssimos.

Sonia Schmorantz disse...

Gostei em especial deste poema, muito bonito!
abraço, boa semana

KAF disse...

Linda árvore!
Passarei sempre aqui para trocar folhas e compartilhar frutos.

Abraços,

KAF

poetaeusou . . . disse...

*
RETIRO do ÉDEN
,
J.M- Vasconcelos
,
E o seu sangue índio
,
Que idade você tem, menino?
- Dia vinte e seis de fevereiro fiz seis anos, sim, senhora.
- Muito bem. Vamos fazer a ficha.
Primeiro a filiação.
Glória deu o nome de Papai. Quando
chegou o nome de Mamãe ela falou só:
Estefânia de Vasconcelos. Eu não
aguentei e soltei a minha correcção.
Estefânia Pinagé de Vasconcelos.
- Como é?
Glória ficou meio corada.
É Pinagé. Mamãe é filha de índios.
Fiquei todo orgulhoso porque eu devia
ser o único que tinha nome de índio naquela Escola.
In - O Meu Pé de Laranja Lima
,
maresias sonantes, envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Ana
,
e continuo a cantar
a tua simpatia
grato amiga,
,
já, já tinhas dito,
vou já, já.
,
um mar de jinos deixo,
,
*

carmen disse...

Que coisa mais linda!!!

Amei!!!
Lindas imagens e poema mais lindo ainda!!!
bjs

poetaeusou . . . disse...

*
Filo
,
és o tronco
do meu poema,
a folha das folhas
da folha que eu li,
no livro de folhas
das folhas vazias
cobertas … de troncos,
,
conchinhas serenas, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Multiolhares
,
Luna
,
entra em mim
esverdeado cantar
chilreios das arvores
dos folhados pássaros
entra em mim
verdejado tempo
rios esvoaçantes
nas margens aladas
entra em mim
torrente parada
leito esmeraldino
murmúrios deslizantes
que correm dos teus olhos
,
no nosso rio,
março/2008,
,
beijos nossos,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
paulo barros
,
cheiro a verde
verde mar
mar marés
feitas searas
aparas
de joio perdido
na selva
picada verde . . .
,
verdes brisas, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Sonia Schmorantz
,
grato, amiga
,
a cor verde
mora em ti
trazes um jardim
nos pensares teus
jasmins de gestos
sorrisos em lírios
cálidas papoilas
rosas sem espinhos,
,
Verdes maresias, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
KAF
,
a arvore é tua,
,
irei visitar~te,
,
saudações,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
carmen
,
derramo verdes folhas
em esmeraldinas nortadas
na bonança
das tuas palavras,
,
esverdeadas conchinhas,
deixo,
,

Pó de Estrela disse...

Vens do pinhal, do verde cheirar
vens de ao pé da aveleira e do jasmim
vens da erva que ondula como o mar
encantas todos...e a mim

Adora ouvir as árvores
com o mar ao longe
...a marulhar!

Doces e verdes maresias da Pó de Estrela

MEU DOCE AMOR disse...

Fosse eu flôr
Pintava sorrisos
Pelo resto dos meus dias
Nas belas pétalas
Pendurava pérolas
Vestidas de amor
E em todas as estações
Cantava o hino ao sol
Abraçada aos seus raios dourados
Cantava aos anjos
Filhos do Criador
Ouvindo a natureza
Das eternas estações
Cintiladas pelos poemas
Das tuas emoções

Um beijinho doce:)

pepa disse...

Árvores de copa atiçada pelo vento,
sopro incessante que até dobra;
Deformação que cresce sem tento
fios de aragem, como os soçobra!

Um grande abraço. amigo Zé

Oliva verde disse...

Que lindo!
Beijinhos e boa semana

Eärwen Tulcakelumë disse...

Encantadas palavras lemos aqui vestidas de verde natureza eterna. Belas fotos representam tão bem a nossa amada mãe natureza.
Pérolas incandescente de verde entrego a ti.
Eärwen

poetaeusou . . . disse...

*
Pó da Estrela
,
no verde do teu gostar
ardem teias de cristal
arvoredo de afectos
véus de ramas espelhadas
do pinhal de D. Diniz
seiva em resinas fervidas
no marejar das marés
murmúrios da cor do mar
saídos das densas folhas,
,
conchinhas esmeraldinas,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
MEU DOCE OLHAR
,
Linda,
para ti,
,
olhai as flores
silvestres da serra
giestas dos montes
mimosas dos vales
tulipas, rosas e jasmins
margaridas e orquídeas
hortênsias, cravos, lírios
violáceas as preferidas
aloé, sol do meu jardim
podes, podes colhê-las
com carinho e ternura
oferece, oferece flores
mas dou-te um conselho
e vais segui-lo a preceito
cuidado, muito cuidado
ao dares o teu “amor-perfeito”
- fevereiro-2008-
,
florinhas te envio
,

poetaeusou . . . disse...

*
pepa
,
que surpresa . . .
,
Entre o luar e o arvoredo,
Entre o desejo e não pensar
Meu ser secreto vai a medo
Entre o arvoredo e o luar.
Tudo é longínquo, tudo é enredo,
Tudo é não
,
In – fernando pessoa
,
aquele abraço,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Oliva verde
,
com a tua visita,
o meu olhar de oliva
é um verde mar da serra
cantando a oliveirinha
dos meus tempos de criança,
,
marés de jinos,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Eärwen Tulcakelumë
,
natureza
a filha predilecta
da mãe Gaia
em que nós
filhos ingratos
a vamos destruindo
paulatinamente,
quando nos convencemos
que a fauna e a flora
são nossas irmãs !!!
,
maresias incandescentes,
deixo,
,
*

Parapeito disse...

Serias de certo uma bela arvore...daquelas que se procuram para descansarmos a alma...deixo para ti um poema que gosto muito e que me fizeste recordar ao ler te :)
*
Cresceu em minha fronte uma árvore.
Cresceu para dentro.
Suas raízes são veias,
nervos suas ramas,
Sua confusa folhagem pensamentos.
Teus olhares a acendem
e seus frutos de sombras
são laranjas de sangue,
são granadas de luz.
- Amanhece
na noite do corpo.
Ali dentro, em minha fronte,
a árvore fala.
Aproxima-te. Ouves?-
-
Octavio Paz..
.....
Sei que ouviste :)

poetaeusou . . . disse...

*
Parapeito
,
sublime recordação,
octavio paz,
é um dos meus preferidos,
,
ouvi claramente
com os olhos que te li,
,
Ler um poema é ouvi-lo com nossos olhos; ouvi-lo é vê-lo com nossos ouvidos.
Não há poema em si, mas em mim ou em ti.
,
in . octávio paz,
,
buzios sonantes, deixo,
,
*

Céci disse...

Fosse eu arvore..

Faria tal e qual como tu!

Bjinhos

Céci

Chinha disse...

Belos os verdes que vestem o Verão.
Belo o poema que sai de ti nas estações de Vivaldi.

Boa semana

bjitos

TristãoeIsolda disse...

Podemos sempre ser árvores, onde verdes poemas dão frutos, em todas as estações.

Abraço

gotadevidro disse...

À sombre de uma árvore relaxando do sol , observa-se os verdes de Verão.

Fosse eu água e refrescaria o estio desta estação quente.

Lindo este poema.

Boa semana e beijitos

rosa dourada/ondina azul disse...

As árvores hoje vão dar um concerto,
para festejarem esta postagem!

E para agradecerem...


conchinhas dançarinas,
te deixo,

Iana disse...

Poeta Amigo

Se pudesse queria que essa árvore nasce em meu jardim
para ficar junto as flores, assim o poeta amigo ficaria sempre perto...

Seus poemas são lindos pra mim...
são fortes como o seu mar caro amigo!

Beijos doces e uma semana linda cheia de Luz e Paz.
sua rosa amiga
Iana!!!

Papoila disse...

Bonita floresta de poemas plantada...

adorei as tuas palavras
Um beijinho amigo Poeta, ramo, folha àrvore :)

BF

lili laranjo disse...

Deixo com carinho


CHEGUEI...

Cheguei aqui e parei...
Cheguei aqui e sorri...
Sorri com muita força...
Pois sei que aqui sou eu...

Aqui paro e escuto...
E sei que escuto o que eu gosto
E sinto o carinho que me cerca
E sei que é um querer de verdade...

Porque aqui...eu estou...eu fico...eu sou!...
E quando a amizade é de verdade...
Eu cresço e fico muito maior...

É por isso...
Que eu sou pequena...
Mas muitas vezes...
Me sinto "grande"-


Lili laranjo "Reticências apenas..."

poetaeusou . . . disse...

*
Céci
,
em ramadas
de amizade,
,
conchinhas de luz,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Chinha
,
Vivaldi
das Estações da Vida
,
conchinhas serenas,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
TristãoeIsolda
,
Árvore da Vida
em que todos
fazemos parte . . .
,
Abraço,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
gota de vidro
,
águas de verão,
são suspiros do estio
sedenta seara
esperando o Outono,
,
Brisas refrescantes, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
rosa dourada/ondina azul
,
como dançam ao vento
as suaves ramagens
entroncando as folhas
de acácias e álamos,
arvores de doçura
senhoria de ninhos
vigiando o sol
sombreando carinhos-
,
Concerto de brisas, envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Iana
,
se rosa fosse
rosava o teu jardim
e num canteiro poria
uma rosácea arvore
em tronco alfabético
as braças seriam letras
e nas folhas de palavras
florestava poemas
para em cada manhã
ajudar-te a sorrir . . .
,
rosadas algas,
te envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Papoila
,
mimado me sinto,
srsrsr,
,
tu sabes
que considero as tuas opiniões,
e são opiniões como as tuas,
que me fazem amar estas redes,
de virtuais empatias a que eu,
se me deres licença para plagiar
um dos teus Blogues, chamo
o Meu Ópio,
,
maresias de amizade, dou,
,
*

Lilá(s) disse...

Folhas, sombras, as quatro estações de Vivaldi! quem sabe chegando a Junho viriam flores, flores de jacarandá...
Bjs

Isabel José António disse...

Querido Amigo,

Tem um prémio no nosso blogue OBSERVATÓRIO.

Um abraço,

Isabel José António

poetaeusou . . . disse...

*
lili laranjo
,
reticências
são sorrisos,
de quem chega
de quem espera
de quem é
com a força de o ser
de ser grande
ser Lili
ou Leslie Caron
“hi lili, hi lo”
lili
como podes ser pequena ?
se és um mar de afirmação ?
se sabes que aqui és,
ser, é estar e ficar porque és,
e serás, serás eternamente,
,
gostei do teu comentário,
,
conchinhas coloridas, deixo,
,

poetaeusou . . . disse...

*
Lilá(s)
,
Jacarandá,
sempre presente,
“violaceando” as minhas cores,
,
Lilases conchinhas, envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Isabel José António
,
vou já cuscar, amigos,
,
brisas nocturnas, deixo-lhes
,
*

Baila sem peso disse...

ouvi e li,
e vi o verde ali,
e Vivaldi nas estações
que esperam por ti,
e em cor de turbilhões
se fosses árvore
o poema era verde,
no outono prometias ficar
e em cada inverno matarias a sede
para na primavera, cantares
o que no verão seria para amares.

enfim...não sei se só verde
se um arco-íris brilhante...
beijinho dançante! :)

poetaeusou . . . disse...

*
Baila sem peso
,
ouve a canção
da floresta
folhas em festa
como jamais vi
é, é vivaldi
das emoções
nas estações
da nossa espera
a primavera
rosado botão
esperando o verão
do abondono
feito outono
hino eterno
cheirando a inverno
tempo a soprar
no hibernar
na solidão .
,
dançantes conchinhas, dou,
,
*

Secreta disse...

Fosse eu arvore e ao mundo pertenceria.
Beijito.

poetaeusou . . . disse...

*
Secreta
,
na
fauna e na flora
no
vegetal, mineral e animal,
somos
uma fauna animalesca,
e . . . já não é mau de todo,
srsrsrsrsr
,
conchinhas do mundo,
deixo num mar de simpatia,
,
*

Duarte disse...

Pepa vai fazendo progressos com a língua portuguesa. Sei que o notaste, já que conheces o estilo.
Obrigado pela atenção, e um abraço

poetaeusou . . . disse...

*
notei
progressos seguros,
,
um abraço amigo,
,
*

Paula Raposo disse...

Eu também faria algo de muito semelhante! Beijos.

poetaeusou . . . disse...

*
Paula Raposo
,
e eu não sei ?
,
jinos,
,
*