março 29, 2009

>>>>>>>>>>>>>>mar da musicalidade<<<<<<<<<


eu quero flautar o mar
surfando clarinetes ondeados
maresias de fagotes esvoaçantes
gemendo na sofreguidão de uma guitarra,
eu quero harmónicas soprando o mar
harpas das marés celestiais
um violino no telhado da maresia
nos hinos assombrosos de um piano,
quero delírios na avidez de uma trompete
maremotos de balalaicas incandescentes
onde as liras penetrando as madrugadas
entronizam os adufes sussurrantes
poema e fotos: poetaeusou

62 comentários:

Duarte disse...

Um mar assim é a melhor fonte de inspiração para todo tipo de melodias. Os acordes soam com a fúria ou a melancolia que inspira o momento.

O teu flautar chegou até mim, amigo Zé, acompanhados de todos os instrumentos que compõe essa imensa orquestra.

Um grande abraço. Bem-haja

Ana Martins disse...

Caro Poeta,
a musicalidade do mar é inspiradora e contagiante, a prova disso está neste belo poema!

Beijinhos,
Ana Martins

Sonia Schmorantz disse...

Dar instrumentos à voz do mar foi uma linda idéia. Belo poema.
Um abraço e boa semana

Multiolhares disse...

E com o mar tudo isso pode acontecer, ele todos os dias muda e nos "fala" "toca" "canta" outra melodia.

beijos nossos

Justine disse...

Fascinante, a tua sinfonia marítima! E não é que consigo ouvi-la, aqui ao longe...

Flor disse...

Adoro tudo o que escreves...passo tempos sem fim a ler-te...
beijos mil...

poetaeusou . . . disse...

*
Duarte
,
que seja
a flauta mágica,
tocando a fantasia da vida,
sonhos em quimeras feitos,
porque de realidades, irreais,
“atulhados” estamos nós . . .
,
um abraço amigo, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Ana Martins
,
ouço o mar,
no marulho contagiante,
sonante
cantando o seu marejar,
,
iodo em conchinhas, envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Sónia Schmorantz
,
o mar
instrumentaliza o pensamento,
de quem o ama,
,
brisas de paz, envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Multiolhares
,
o mar
é um manancial de emoções,
um palco de mil personagens
num só actor . . . o mar,
,
beijos nossos
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Justine
,
nas vagas de maresias
soam etéreas sinfonias,
,
brisas sonantes, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Flor
,
amiga
gratificado fico,
,
se me permitires,
deixo um conselho,
em prosa ou em verso, nunca
sigas um padrão pré-definido,
escreve o que te vai na alma,
inventa palavras, metáforas,
sentimentos vividos ou sonhados...
o que idealizares, depois de
publicados deixam de te pertencer,
são de quem os ler e mais ou
menos aceites conforme o seu
momentâneo estado de alma . . .
,
conchinhas de amizade, deixo,
,
*

Ofarol disse...

O mar é sofrimento...o mar é alimento...o mar é ganha-pão...o mar é romance...o mar é paixão...o mar é fonte de inspiração...o mar é orquestra é música...
E quando é escrito com a paixão do nosso POETA o mar é vida...

Obrigado POETA

utopia das palavras disse...

Mareantes melodias
enbriagam
ondas do mar
extase de sinfonias
num solo
de acordeon
vêm meus olhos
beijar...!

Lindo, poeta!!!

Um beijo

LUA DE LOBOS disse...

como sempre é um prazer maior ler-te.
agradeço os votos de melhoras que são entregues à minha filha pois, embora eu trocasse de lugar, o universo assim decidiu
xi
maria de são pedro

Teresa Durães disse...

a sinfonia nas ondas!

Adriana disse...

Que continue a flutuar assim neste mar as suas inspirações terrenas com ar de divino.

poetaeusou . . . disse...

*
Ofarol
,
Companheiro,
vamos ao vira do mar !!!
,
Ind'agora vim do mar
de remar contra a maré
e já estou pronto a dançar
o vira da Nazaré
Quando tu vais para o mar
em tão fraca embarcação
fico por ti a rezar
à Virgem da Conceição
Dancemos com fé
que o vira não cansa
pois na Nazaré
o vira é dança
Nazaré sem vira
é amor sem ciúme
é pura mentira
é fogo sem lume,
,
C.S deixo as miha saudações,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
utopia das palavras
,
Foste a quinta sinfonia
Fuga da nossa verdade
Sonata tocada em mim
Foste o meu sol afinado
Neste samba de saudade
Vinicius, Nara e Jobim
Foste verso de balada
Foste pintura abstrata
Meu bolero de Ravel
Foste música sonhada
Numa canção de Sinatra
Com um poema de Brel
E foste a música que em mim ficou,
,
in-paco bandeira,
,
conchinhas serenas, envio-te,
,
*

gaivota disse...

e assim tens uma orquestra em ordem! e olha que a afinação deste fim de semana estava a compôr-se...
sopravaaaaaaaaaaa forteeeeeeeeeeee
é já em breve, voltarei...
pilipares

f_mg disse...

e agora há tanta vida la fora como uma onda no mar..

poetaeusou . . . disse...

*
LUA DE LOBOS
,
o mar é um dos
filhos do Universo,
confia nas marés
no seu espraiado vai e vem,
,
suaves brisas, envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Teresa Durães
,
no marulho
das maresias . . .
,
*****

poetaeusou . . . disse...

*
Adriana
,
flutuantes solfejos,
entre o velame da vida,
,
conchinhas de luz, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
gaivota
,
lembras-te
da Banda de Alvorninha ?
patxipumpum pápáparápápá,
patxipumpum pápáparápápá,
,
pilipares,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
f_mg
,
Nada do que foi será
De novo do jeito que já foi um dia
Tudo passa, tudo sempre passará
A vida vem em ondas como o mar
Num indo e vindo infinito
Tudo que se vê não é
Igual ao que a gente viu há um segundo
Tudo muda o tempo todo no mundo
Não adianta fugir
Nem mentir para si mesmo
Agora
Como uma onda do mar
,
um abraço,
,
*

Dulcineia (Lília) disse...

Um espaço bonito.
Nazareno e poeta.
cheio de metáforas.
Voltarei, com mais calma e tempo, para apreciar.
Um abraço
Lília

Pitanga Doce disse...

Oh sim! Destes barulhos que descreves aqui também eu queria. Os que tenho lá em casa é que não.

Ah, a falta que faz o piano ao cair da tarde! Está longe o dono dele.

abraços de cá

poetaeusou . . . disse...

*
Dulcineia (Lília)
,
dulcineia,
de um Cervantes
feito pança
na Santa Liberdade
de um Quixote Galva(o)nizado,
,
ventos serenos, envio,
,
Irei cuscar teu espaço,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Pitanga,
,
insere um CD do biólogo,
ou
activa a linha telepática,
e na gavetinha do teu
disco rígido vais ouvir
o etéreo som que te embala,
,
suaves brisas, envio-te,
,
*

Eduardo Aleixo disse...

Tantos instrumentos musicais, dignos e à altura da grandiosidade musical do mar. Só faltou um instrumento. Um instrumento polifónico. Um fortíssimo coral, de vozes do meu alentejo, que também sabem cantar o mar. Foi um lapso compreensível. Um poeta do mar, vai lá lembrar-se das gentes da planura!
Zé, em Abril, o escritor convidado do meu blogue é o Redol. Vai sair um texto do livro " A Fenda na Muralha ". Mas que coisa magnífica.
Um abraço.
Eduardo

Efigênia Coutinho disse...

José Henrique, a sua poesia não é uma coleção de fotografias guardadas, mais imagens vivas dum mar ondeando, ao som encantado de clarinetes,harpas, uma lira bem temperada nas vozes de anjos e arcanjos celestes.

adoro ler sua poesia,
Efigênia Coutinho

São disse...

LINDO! LINDO!
Abraços marinhos.

Clotilde S.(canela_e_jasmim) disse...

Um arranjo musical perfeito emoldurado por imagens que só o MAR nos pode oferecer.
Parabéns por ambas as artes.

Um abraço*

Pitanga Doce disse...

Poeta, não é a toa que o meu pc mudou-se aqui para o quarto dele.
Coisas de mãe. É tudo igual.

poetaeusou . . . disse...

*
Eduardo Aleixo
,
para ficares contente
,
Alentejo, ai solidão,
Solidão , ai Alentejo,
Pátria que à força escolhi!
Quando cheguei quis-te mal,
Alentejo –ai- solidão......
Julguei eu que te quis mal,
Chegava do vendaval,
Tão cego que nem te vi!
,
In-josé régio,
,
Alves Redol
A essência da libertação,
Que “o” Abril não viu . . .
,
um abraço
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Efigênia Coutinho
,
gaivotas
anjos e arcanjos feitos,
nas espumas
de serafins e querubins
em celestial trono-mar
,
suaves hinos de amizade,
envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
São
,
feliz fico,
,
marulho
a musica do mar,
acordes sublimes
embalando os ecos . . .
,
ventos suaves, envio,
,
*

mdsol disse...

Surfando...palavras

Conchinhas delas
:))

Iscte 72-77 disse...

Lindas imagens, belo poema...enfim a qualidade de sempre...

angel bar disse...

Boa Música... Boa Semana.

poetaeusou . . . disse...

*
Clotilde S.(canela_e_jasmim)
,
prelúdios
nas marés ecoando
as cantatas da vida
dos sons contra tons
orquestrando compassos,
,
Brisas de amizade, deixo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Pitanga Doce
,
sódade, sódade,
,
como te compreendo amiga,
e o meu está a 40 Km, srsrsr,
,
conchinhas,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
mdsol
,
orquestras de estima,
nas ondas, te envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Iscte 72-77
,
grato, como sempre,
,
ventos musicais, dou,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
angel bar,
,
acordes musicais,
soaram com a tua visita,
grato fico,
,
ventos de amizade, envio,
,
*

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

O mar.....Lindo e triste, as ondas, a imensidão....
....E suas belas palavras ,é claro!
Uma boa para você

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Obrigada pela visita, adoro conchinhas....

GarçaReal disse...

Que bem flautas o mar, com tantos instrumentos de beleza

Lindo poeta

Boa semana

bjgrande do lago

andorinha disse...

As tuas palavras a compor a sinfonia perfeita que o mar merece.
Um beijo.

poetaeusou . . . disse...

*
MARTHA THORMAN VON MADERS
,
Mar,
alberga-me
nos teus braços
dá-me colo
mima-me,
meu cais de chegada,
não mereço
as incertezas da partida,
,
ventos de ternura,
envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
MARTHA THORMAN VON MADERS
,
conchinhas
são maresias condensadas,
espraiadas no olhar,
,
suaves brisas, deixo,
,
*

gaivota disse...

já sabes que até gosto de bandas filarmónicas, a minhas filhas tocaram numa, aqui em fanhões... e a tânia, a mais velha, só há pouco tempo é que deixou... mas a flauta e o flautim estão sempre à mão!
a banda da vestiaria tinha muitos bons executantes... a da alvorninha e o seu som!!!
pilipares
até amanhã!

Juani disse...

hoy tu melodia es preciosa
saluditos

poetaeusou . . . disse...

*
GarçaReal
,
não sei se notas-te,
uma brilhante nuvem
de brisas voláteis
no lago real,
altar musical,
onde a cotovia e o rouxinol,
em terceto de Cítaras
com maestrina Garça,
debitavam divinos decibéis,
de sons celestiais,
,
pilipares daqui, envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
andorinha
,
o êxito
teria que ser total
ou
eu não tivesse a supervisão,
de uma andorinha . . . do mar,
,
serenas conchinhas, dou-te,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
gaivota
,
No dia em que o Abril fez anos
Houve arraial e foguetes no ar
O vinho correu à farta
E a fanfarra não parou de tocar
E o povo saiu à rua
Com a alegria que costumava ter
Cantando se o Abril faz anos
Que venha à praça, para nos conhecer
,
in-jose cid (alterado)
,
pilipares
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Juani
,
fico desarmado,
com as tuas palavras,
,
ventos de amizade, envio-te,
,
*

Branca disse...

O mar é sempre fonte de inspiração pra tudo e pra todos! O mar é sempre vida...movimento!

Bonito poema!
Boa semana pra vc...bjo!

poetaeusou . . . disse...

*
Branca
,
amiga
tenho andado
arredio das visitas,
É . . .
o mar é a imensidão
das nossas duvidas,
é o mistério das nossas certezas,
,
ventos de amizade, envio,
,
*

Liliana disse...

Olá.

Isto é o que se pode chamar, amar o mar a cantar...

Um abraço

poetaeusou . . . disse...

*
Liliana
,
nada me impede
de gritar ao vento
amo-te mar
e quando ausente
pergunto ao mesmo vento
pelo meu amigo, mar,
,
*