fevereiro 21, 2009

>>>>>>>>>>>>>> eu canto as trovas <<<<<<<<<



eu canto as trovas
na escavada alquimia
emigrando eternamente
na dualidade que sou feito
transmutando
nas distancias poeirentas
pensamentos sufocados
implorando enxurradas
de desenfreadas metáforas
poema-fotos-video:poetaeusou

40 comentários:

Multiolhares disse...

Entre procuras, dualidades, sufocamos palavras,eternamente lavadas pelas vagas do mar.

beijos nossos

Ana Martins disse...

Belo, muito belo!

Beijinhos e bom fim de semana,
Ana Martins

Pitanga Doce disse...

Agora, vindo aqui ver o teu mar e ler os teus poemas é que vi a data e percebi que fevereiro já vai no fim. Coisas que nos dão um click e já está. Não foi um mes bom. Valha-me Deus!

abraços e a Vila Isabel de Martinho está cotada para se campeã. O enredo conta a história do Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

Sonia Schmorantz disse...

Muito bonito...dualidades: uma no mundo ansiando coisas novas, outra dorme no cansaço da rotina.
um abraço

poetaeusou . . . disse...

*
multiolhares
,
o mar
eterno namoro
sufocam procuras
nas eternas vagas,
,
beijos nossos
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Ana Martins
,
sempre bela
a tua visita,
,
conchinhas serenas, envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Pitanga
,
carnaval/2009
,
Santa Isabel
homenageia Martinho da vila,
,
Intérprete: Tinga
Imortal! Com o povo que me conquistou
E a aura do Municipal
Hei de emanar a luz
No palco do meu carnaval
E caminhar, sob o brilho e o ar de Paris
Um boulevard passos para um novo país
Nas rimas da minha poesia
O meu Rio de Janeiro
Derrubava o passado e erguia
O cenário pra encantar o mundo inteiro
Vi lá… No Theatro, a cortina se abrir
Com a ida, a platéia vibrar
E a cidade toda aplaudir
Com a orquestra lá do bairro de Noel
Segura a Vila que eu quero ver
Vem brindar e saciar a sede
No alto da sede, coroa hoje brilha
A centenária maravilha vila isabel
,
do martinhão
quem que foi que disse
que amar é tolice não é não
sensação
bem maior
do que se pensa
irreverente
ao marcar sua presença
vai e vem
nas marés de muitos tons
toda aquele que acha
nas ondas emoções
do amor que vem . . .
,
conchinhas
um miminho para a julinha,
*

silvia masc disse...

Dualidades nos fazem inteiros?
Belíssimos, poesia e imagens.
abraços poesta.

No Longevidade hoje, compartilho o amanhacer visto da minha janela, imagens de um celular, mas confesso que suspirei pela grandiosidade que a natureza com a sua simplicidade nos dá de presente, e nem sempre temos tempo ou disposição para olhar.
abraços

poetaeusou . . . disse...

*
Sonia Schmorantz
,
dualidade . . .
o dilema do sentir,
,
conchinhas nazarenas, envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
sílvia masc
,
a dualidade
a mão da duvida,
A duvidas fazem-nos meditar,
,
Brisas de paz, envio,
,
*

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO POETA ZÉ, LINDAS AS TUAS FOTOS ASSIM COMO O VIDEO... ADOREI AS TUAS PALAVRAS LEVADAS PELO NOSSO ETERNO MAR... QUE SERIAMOS DE NÓS SE ELE???
POSTAGEM QUE NO TODO ESTÁ SUBLIME AMIGO!!!
UM ABRAÇO DE CARINHO E AMIZADE,
FERNANDINHA

Daniel Costa disse...

Poetaeusou

É isso poesia, as própria beleza das fotografia, são como alquimia para os sentidos.
Abraço,
Daniel

Lena disse...

Como sempre é o video que mais gosto, ouvir as ondas, sentir o Mar..
Venho te deixar um desafio que a Gaivota veio depositar num voo no meu cantinho...
Desde ja obrigada pela tua participação. (tb sei q respondes pouco a desafios).

Um beijo !

E um bom Carnaval !.............

utopia das palavras disse...

Trovador
do mar
de que és feito
trovas
do meu olhar...!

Belo, poeta

beijinho

Ana disse...

A bela poesia que “cantas” confessa os teus íntimos sentimentos.
A excelente imagem e o vídeo completam-se.
Muito belo!
Beijinhos,
Ana Paula

mdsol disse...

na escavada alquimia...

conchinhas
:))

poetaeusou . . . disse...

*
FERNANDA & POEMAS
,
gratificado me deixas
,
um mar de jinos, envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Daniel Costa
,
Alquimia Nazarena, Daniel,
,
um abraço,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Lena
,
tens bom gosto,
,
vou já inteirar-me,
,
Jino
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
utopia das palavras
,
trovas
pelo mar cantadas
sublinhadas
pelo teu olhar,
,
jino sereno,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Ana
,
íntimos sentimentos,
confesso . . .
,
jino de amizade,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
mdsol
,
implorando enxurradas . . .
,
conchinhas nocturnas, envio,
,
*

rokerhunter disse...

Informo que está sob vigilância atenta do ROQUERHUNTER. Advirto para a possibilidade de fazer parte da SALA DE TROFÉUS do "caçador de supositórios"... ou NÃO.

poetaeusou . . . disse...

*
declaro-me inocente,
até EU provar o contrário,
,
boa caça . . .
,

Duarte disse...

Quando o Oceano entra em fúria é imparável.
As águas em movimento convertem-se em um canto poético interminável.

Obrigado amigo, por partilhar comigo momentos tão fascinantes.

Abraços

Pitanga Doce disse...

Conhecendo assim tão bem a letra, tens a certeza de que não vens em alguma ala, ou quem sabe na bateria???

Vou te procurar:
"na tela da tv no meio desse povo
a gente vai se ver na Globo"!

andorinha disse...

É nas trovas que cantas que a tua dualidade se transforma em poesia.
Gosto de a ler.
Um beijo.

poetaeusou . . . disse...

*
Duarte
,
hoje o mar parece um imenso
relvado além de verde, está
liso como a verde seara sem
vento, lindo, amigo,
,
um abraço,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Pitanga Doce
,
de Porta Bandeira
e o meu par é o
Martinho da Vila, srsrsr,
,
Vila Isabel
Vila Isabel
é béllll, é béllll . . .
,
conchinhas do entrudo,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
andorinha
,
é na trova
das tuas palavras,
alento meu,
que envio
conchinhas poéticas
neste dia anil
e de dourado sol . . .
,
*

Ana disse...

Belas trovas as tuas, Poeta.
E esse mar...

Abraço

poetaeusou . . . disse...

*
Ana
,
eu trovador,
de turbante,
feito enrolado
barrete
que herdei do meu avô,
que no carnaval me mascarou,
mas este grevou,
por isso este ano
não o vou pôr, não vou,
já não caio no engano,
vou pensar em Portugal
se ando mascarado todo o ano
faço férias no carnaval,
,
conchinhas de céu anil,
envio-te,
,
*

Carlos Barros disse...

Do cantar de tuas trovas emanadas da dualidade, ganhamos nós com a inteireza de tuas belas linhas!

Grande abraço Poeta.

poetaeusou . . . disse...

*
Carlos Barros
,
que grande piada carnavalesca,
srsrsr,
,
grato amigo,
,
aquele abraço,
,
*

Mariz disse...

Amigo
Como detesto o carnaval vim até aqui.
Re-inventa-te e chegarás em cada segundo ao ponto de partida...ou seja começas de novo.
Assim tomamos consciência de como pisamos o terreno.

Sei que não ligas a estas coisas, mas não faz mal. a minha intenção foi querer homenagear-te e isso basta-me.
Portanto, vai até ao outro blog que diz "òscares", pega na mão da Luna que também já a anunciei e recebam os mais calorosos aplausos de uma plateia imensa feita de mim.

procurem pelos vossos nomes.

Abraço meu de sempre
Mariz

gaivota disse...

canta, canta, amigo canta
vem cantar a nossa canção
ci' à ré vai-te amarar
quando tiver cu pitról
vai-se atirar ao mar!
piliparessssss

poetaeusou . . . disse...

*
Mariz
,
não sou contra,
mas . . .
respeitosamente não aceito,
,
com amor e carinho te digo,
blogosfera é para darmos aos
outros um pouco de nós,
,
quem sou eu para nomear alguém ?
que poder tem quem me nomeia ?
quem eu sou para receber nomeações ?
quando me lembro que um PR, nomeou
um foragido que saltou de Alcoentre …
,
conchinhas amigas, envio,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Gaivota,
,
quanto mais cantiiiii,
mais te espantiiiii,
,
pilipares,
,
*

Miosotis disse...

... o mar, esse eterno mar que em nada nos sufoca...

maresias
tranquilas

poetaeusou . . . disse...

*
miosotis
,
não posso, mar
controlar os sentimentos,
sinto o enrolar das vagas
como troncos retorcidos
nas ramagens da ansiedade ...
,
brisas serenas,
envio,
,
*