julho 16, 2007

»»»»»»»»»»»»»» p o e t a s ««««««««««««««


vou armar o mundo de poemas
num palco iluminado de flores
imaginar, escreveres e reinventar
versejares das palavras dos poetas
nos mágicos jardins de soltas letras
poemas em meus poros entranhados
nos canteiros de palavras, vivas pétalas
febris espasmos de contracções vincadas
em encontrados oásis, de floridas fantasias
poema e fotos de: poetaeusou

42 comentários:

sonhadora disse...

Beijinhossssssssssssssssssssss

poesiadaspiramides disse...

Que ao lerem o teu sentir
Os homens destruam as armas
No peito repleto de espinhos
Possa florir um jardim de amor
Que no negrume da dor
Exale o perfume das flores
Que os poetas escrevam
Palavras, vivas, sentidas
E nas letras soltas
Se forme a união,
Que transforme a escuridão
Em um palco de luz
Beijos nossos

sonhadora disse...

Tu és um poeta fantástico. Arma o mundo de poemas... de amor.
Beijinhos embrulhados em abraços

Paula Raposo disse...

Acho uma óptima ideia armar o mundo de poemas! Beijos.

sonhadora disse...

Os momentus que captas com a tua máquina são momentUS de excelência.
Beijinhos armados em abraços.

Paula Raposo disse...

Esqueci-me só de acrescentar que adoro esta música que escolheste, Henrique!!

Dulce disse...

Ter esse mar aos pés é uma benção!
Beijos

poetaeusou disse...

*
sonhadora
*
muitosssssssssssssssss
*

poetaeusou disse...

*
poesiadaspiramides
*
no negrume da dor
os homens não sabem que a luz
num poema reluz
e num jardim as flores
os seus perfumes e odores
são mensagens de amor
*
beijos daqui
*

poetaeusou disse...

*
sonhadora
*
é tão fácil
semear o amor ... poemando ...
*
jino
*

poetaeusou disse...

/
Paula Raposo
,
paulinha
,
vamos tarjetar
o planeta de poemas
,
ji
/

poetaeusou disse...

/
sonhadora
/
com os meus modelos/mar
,
um simples clikar ...
e a obra aparece,
,
jinos
/

poetaeusou disse...

/
Paula Raposo
,
feiticeira
a
paula
/
ji
/

poetaeusou disse...

/
dulce
/
o mar
é uma oferta,
é um favinho da natureza
é o "tal" elixir
é a fonte do rejuvenesceimento
/
jinos
/

Maria P. disse...

Sonho esse mundo.

Bjinhos*

poetaeusou disse...

/
maria p
/
sonha ...
,
ji
/

Josse disse...

"poemas em meus poros entranhados
nos canteiros de palavras, vivas pétalas..."
Que lindo, quisera mesmo o mundo ser inundado por sentimentos tão raros.

Beijos e uma boa semana

Pitanga disse...

Agora também tenho um mar.

abraços

poetaeusou disse...

/
JOSSE
/
quiseramos nós ...
e ...
seria ...
/
jinos
/

poetaeusou disse...

/
pitanga
/
olhar o mar
e no seu espraiar
recomeçar
/
xi
/

Sininho disse...

E não é o que já fazes aqui?
A net é o mundo...

Abraço.

GarçaReal disse...

Querido Poeta...Quando armares o mundo de poemas, por favor ,deixa docemente que as tuas" soltas letras "sejam deixadas ao acaso em meu Lago Real.

bjgrande e Real

poetaeusou disse...

*
sinhino
*
olha !!!
agora reparo ...
,
tens razão ...
*
xi
*

poetaeusou disse...

*
garçareal
*
não será ao acaso
,
são deixadas com carinho,
flutuarão e em harmonia,
qual bailado,
formarão a palavra amor .
,
jinos
*

Isabel-F. disse...

"vou armar o mundo de poemas
num palco iluminado de flores
...
..."

lindo ...lindo ... belissimo

bjs

poetaeusou disse...

*
Isabel-F.
*
e comutar os horrores
por pétalas irisadas de amores
*
xi
*

GarçaReal disse...

Querido Poeta...
Magnânime...Mas estou a chegar do Lago e nada vislumbrei...Procurei nos
"canteiros de palavras"...Não estavas lá...

bjgrande e real

Kalinka disse...

«Quando a chuva passar,
Quando o tempo abrir,
Abra a janela e veja eu sou o sol.
Eu sou céu e mar,
Sou céu e fim,
E o meu amor é imensidão.

Só quero te lembrar...»

NOTA: Já agora, poderás dar-me a tua opinião sobre Conímbriga? Já visitaste as ruínas?

Beijitos e boa semana.

poetaeusou disse...

*
garça real
*
num golpe de asa
enviei por uma gaivota,
escuta o seu pililipar,
te indicará,
qual o recanto,
e verás um manto de letras
nas folhas dos teus nenúfares ...
*
jinos
*

poetaeusou disse...

*
kalinka
*
«quando o sol surgir,
e pela janela olhar,
quando eu avistar o mar,
o amor vai emergir e sorrir,
*
conheço conimbriga,
ruinas deixadas pelos ataques
dos malandros dos Suevos ...
,
irei, sim, a tua casa
*

Sophiamar disse...

Fizeste-me lembrar este poema de António Gedeão de que gosto muito.

Arma secreta

Tenho uma arma secreta
ao serviço das nações.
Não tem carga nem espoleta
mas dipara em linha recta
mais longe que os foguetões.

Não é Júpiter, nem Thor,
nem Snark ou outros que tais.
É coisa muito melhor
que todo o vasto teor
dos Cabos Canaverais.

A potência destinada
às rotações da turbina
não vem da nafta queimada,
nem é de água oxigenada
nem de ergóis de furalina.

Erecta, na noite erguida,
em alerta permanente,
espera o sinal da partida.
Podia chamar-se VIDA.
Chama-se AMOR, simplesmente.


O teu poema é muito bonito e o espírito qie nele perpassa é fabuloso.
Beijinhos, poeta. Ai, este mar!!!!

Gi disse...

Que lindas as imagens que escolheste para ilustrar as tuas palavras.

Um beijinhho e boa semana

GarçaReal disse...

Oiço o pipilar da tua gaivota, voando rasa sobre meus nenúfares, em tarde enublada...Procuro "um palco iluminado de flores".....e?......

bjgrande e Real

rosa dourada/ondina azul disse...

Um mundo feito de poemas e flores,
Sonho mágico de encantar...

Tomara que seja ...


Bjs.

acordomar disse...

o mar lá em baixo, nao tem o tamanho das ondas vistas de cima, quando nos apetece dar umas braçadas???

No sabado ele estava insuportável para os banhos, nao deixava ninguem se banhar ...

Bk*

poetaeusou disse...

*
Sophiamar
*
em alerta permanente
*
bjinhos
*

poetaeusou disse...

*
gi
*
são
"pequenos nadas"
que procuro fazer
*
jinos
*

poetaeusou disse...

*
GarçaReal
*
e ...
,
talvez enxergues
no post de hoje ...
,
jinos
*

poetaeusou disse...

*
rosa dourada/ondina azul
*
vamos continuar a semear
*
ji
*

poetaeusou disse...

*
acordomar
*
cá na nazaré
e não me visitas ?
,
máaaaaaaaaaaaaaa ...
*

acordomar disse...

Nao Poeta, nao fui á Nazare, estava a referir-me à Foz com ondas enormes... ja nao vou a Nazare ha buéééé ....mas ainda quero ir este verão ;)
Beijoca*

rascunhos disse...

que imagens, que palavras...

belo!