janeiro 30, 2008

>>>>>>>>> ausência <<<<<<<<<


alem do silencio
na virgem maré,
a amansada onda
divaga a miragem
da alucinada praia,
pantanal de sonhos
escolhos espantados
cansaços tormentosos
de ausência, o meu pranto
poema e fotos: poetaeusou

46 comentários:

Rosa Maria disse...

Poeta

A ausências causam sempre pranto.
Mas tu tens esse mar, esse promontório, tens tudo...

Quem me dera!!!

Beijinhos

gaivota disse...

leva-me aí à pata do cavalo, à senhora da Nazaré,
leva-me a essa onda espraiada na areia mais linda do mundo!
alucinante praia onde os segredos
se enterram continuamente em sonhos de marés espraiadas...
mas estou quase, quase a chegar!
beijos

GarçaReal disse...

O teu pranto...A minha vivência...

Meus amigos de elaição...O poema do Lago é para eles...Para quem me ama e a quem eu amo...É para ti querido Poeta.

Bjgrande sempre

Sol da meia noite disse...

Há sempre algo que o silêncio não silencia...

Beijinhos

poetaeusou . . . disse...

*
Rosa Maria
,
mar,
meu pranto,
minha alegria,
presença
da minha ausencia,
de olhar-te,
sem te ver,
e ver-te,
na ausencia,
no meu pranto,
,
conchinhas
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
gaivota
,
senhora da nazaré,
rogai por mim,
tambem sou um pecador,
que ando a bloguear,
lá lá lálá
,
xi
*

poetaeusou . . . disse...

*
garçareal
*
quisera amar
na brisa da amizade
em lençol de respeito
derramado na cidade
vagueando
pelos caminhos do mar,
.
maresias de ternura, deixo
/
*

poetaeusou . . . disse...

*
Sol da meia noite
,
é . . .
,
o silencio fala,
gosto de ouvir o silencio,
e de ver o, sol da meia noite,
na noite longa,
do alaska á gronelandia . . .
.
maré de jinos
,
*

multiolhares disse...

As ausências
Só existem quando
As deixamos tomar conta
De nós
Pois as ausências podem ser
Como as marés que vão e vêem
Como o sol que aquece os sonhos
E dormita na noite
Como a lua que todas as noites
Te aconchega os lençóis

Beijos nossos
luna

poetaeusou . . . disse...

*
multiolhares
,
luna
,
as ausencias, mesmo periódicas,
rasam de pranto, os meus sentidos,
as marés quando vão,
a lua quando vai e vem . . .
,
beijos daqui
,
*

Maria Clarinda disse...

Olá meu Poeta....
aqui estás com o mar sempre belo ainda que com a ausência como pano de fundo....
Jinhos mil

Gerlane disse...

Sim! A ausência causa tormentas! Quiçá, as ondas levem consigo o sal das lágrimas.

Beijos!

MEU DOCE AMOR disse...

Venho beijar as tuas lágrimas,salpicadas de sorrisos...os meus...para ti.

Beijinho doce Querido Poeta do Mar

ines disse...

santa cruz?

vou-me em silêncio que justifique a minha ausência!

rouxinol de Bernardim disse...

Nazaré! Sempre na crista da onda! até na onda poética!!!

Bloga Comigo disse...

Silêncio
Solidão
Saudade
Sentida
Sem
Sonho
Sem
Sombra
Sequer
Sem
Sentido

Sofre-se
sempre

No pantanal da dor
enterra tua amargura
e vive
com sentido.

Bjos

A.Tapadinhas disse...

Arrebatadoras imagens: do poema e das fotos... E já agora do local onde vive...
Abraço.
António

poetaeusou . . . disse...

*
maria clarinda
,
a ausência da presença, só
,
maré de jinos
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
gerlane
,
lágrimas da tormenta,
nas ondas salgadas,
,
conchinhas presentes,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
meu doce amor
,
oh, sereia encantada,
salpicada,
de maresias de encanto,
manto,
de sorrisos lindos,
bem vindos,
,
jinos de iodo
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
inês
,
não ,
da praia da Nazaré
,
Promontório e canto das rochas
,
Conchinhas coloridas
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
rouxinol de Bernardim
,
A crista
da natureza que me rodeia,
a minha musa . . .
,
Vagas de rouxinóis
para vila do conde,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Bloga comigo
,
Viverei
Com sentido
Blogando nestas estradas,
Com os outros, contigo . . .
e comigo,
,
Marés de jinos
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
A.Tapadinhas
,
gratificado, fico,
,
deixo, búzios sonantes,
extensivos a tchaikovsky
,
*

Helena disse...

As fotos são demais, parece que estou ai a ver o mar.
Que sorte a tua de estares ai e que sorte a nossa de te ter por aqui..

Beijinhos

Sant'Ana disse...

Há prantos silenciosos que têm a dimensão do mar e a imponência das vagas.

um beijo

Era uma vez um Girassol disse...

Venho agradecer as visitas ao girassol...apesar das minhas ausências por aqui...
Que o Poeta me perdoe esta indelicadeza!
Abraço da flor

poetaeusou . . . disse...

*
helena
,
espero que este cantinho,
raso de maresia,
se transmuta no teu olhar,
em luz e cor,
na cor . . . do mar
,
búzios sonantes
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Sant'Ana
,
vagas de pranto,
no silencio do mar,
,
conchinhas
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Era uma vez um Girassol
,
grande flor
,
perdoar, que exagero
,
nada nos obriga,
exceptuando a amizade, o respeito, cimentado nestas redes bloguistas,
,
coloridas conchinhas, deixo
,
*

Maria Luar disse...

Deleito-me no teu canto de ondas feito, encontro o berço mar onde me aconchego e sonho ao luar. Vem!

Abracinhos cheios de iodo

xi

*
,

Luana disse...

e o mar acaba por ouvir o pranto e levar as nossas lágrimas para longe...
um dia, quando voltarem, tudo será diferente... ou talvez não...

um beijo doce

Kalinka disse...

POETA

por vezes necessitamos de estar ausentes, outras vezes as ausências são dolorosas...

Já alguma vez abriste janelas, para ouvir estrelas? Vou começar a pensar nisso quando chegar a Primavera; gostaria de conversar com elas a noite toda!!!

Beijos cintilantes.

andorinha disse...

Nem o mar pode ser maior que a ausência de quem amamos.
Um beijo.

Maria disse...

falas tu de ausências, aqui, poeta......

Carminda Pinho disse...

Poeta,
as ausências fazem sofrer quem as sente mas...

"Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.

(in Carlos Drummond de Andrade)

Beijos

poetaeusou . . . disse...

*
maria luar
,
o mar,
o berço de todos os sonhos,
,
brisas de iodo
*

poetaeusou . . . disse...

*
Luana
,
(a água nunca passa duas vezes)
é sempre diferente,
além disso, podemos olhar,
com a coloração dos nossos olhos
,
conchinhas
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
Kalinka
,
quantas das vezes
estive ausente de mim,
,
búzios sonantes
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
andorinha
,
existem “amares” diferentes,
mas . . .
realmente, tens razão,
o “nosso” é sempre “aquele” . . .
,
maresias de jinos,
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
maria
,
a maior ausência,
é a ausência de nós
,
não sei se sabes o que é . . .
,
inté
,
*

poetaeusou . . . disse...

*
carminda pinho
,
amiga
quantas das vezes, para não
sofrermos, nos ausentamos,
quantas das vezes trocamos a
continua presença pela saudade...
,
tenho razão para sentir
saudade de ti,
de nossa convivência
em falas camaradas,
simples apertar de mãos,
nem isso, voz modulando sílabas
conhecidas e banais que eram sempre
certeza e segurança.
Sim, tenho saudades.
Sim, acuso-te porque fizeste
o não previsto nas leis
da amizade e da natureza
nem nos deixaste sequer
o direito de indagar
porque o fizeste, porque te foste.
,
in-carlos drummond de andrade
,
um mar de jinos
,
*

Maçã com Canela disse...

Estou farta da ausenia.. da distancia..
Farta de acreditar em sonhos que parecem tão reais mas que o não são...
Desculpa.. estou em maré não...

Obrigada pelas tuas palavras sempre tão bonitas...

Um beijo com sabor as ondas do mar... tal como as lagrimas que rolam do meu rosto

poetaeusou . . . disse...

*
maça com canela
,
amiga
,
sorri sempre.
,
Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.
,
in-drummond de andrade
,
pedrinhas presentes
,
*

Um Momento disse...

Em silêncio me passeio,
Em ausência de palavras
Hoje aqui te deixo
Um beijo presente:)

(*)

poetaeusou . . . disse...

*
Um Momento
,
passeio das palavras,
--- ditas ---
,
conchinhas
*