março 31, 2007

»»»»»»»»»» cálice ««««««««««

não queiram voltar atrás
trabalhai homem domesticado
vai sem descanso, trabalha pois
plagiando animais, imita os bois
estes alimentados, por adestrados
tu vegetando em viver sem vida
pescas a morte por compensação
espinha curvada sem dizeres não
em casa a mulher gasta cansada
dar pão aos filhos e não tem nada
queres comer filho ? desesperada
o pai vai trazer peixe, diz esgotada
e lá no areal ouve-se a vozeirada
corre a mulher que não se cansa
angustiada entre gritos e ais
perdes a esperança
viúva sais
e uma gaivota
triste voando
vai pirililipando
espalhando a revolta
desassossegando em sua volta
poemado: poetaeusou

28 comentários:

Farinho disse...

Infelizmente ainda há muita miséria po aí, como o meu marido costuma dizer, "o dinheiro está muito mal distribuido".

Bom fim de semana.

Beijocas :)

poetaeusou disse...

***
farinho
*
dificuldades
*
envergonhadas
*
no minimo
*
bj)
***

Maria disse...

Este teu Cálice fez-me recuar uns anos largos, ao tempo em que eu, miúda, ia para a praia da Nazaré.
Lembro-me muito bem das redes serem puxadas pelos bois, das mulhares sentadas na praia à espera dos barcos, dos barcos a chegar e a levantarem-se com vaga alta, e lembro-me de naufrágios, mesmo ali à nossa frente.
Era horrível.
Nesse tempo havia muita solidariedade. e muita falta de pão... Era ver as mulheres da praia aa irem para as casas de penhores...
Caramba, poeta, o que tu me foste trazer à memória.

Não, não voltaremos atrás!!!

Hoje, dois beijos para ti

Cátia disse...

Bela imagem que nos passaste aqui, era bem verdade... as vidas eram bem dificeis e por vezes com pca compensação... mas nao nos esqueçamos que mtas vidas ainda sao assim, mesmo que numa fase ja mais evoluida... há que pensar nisso... Belas fotos... sao uma preciosidade.

Acrescentei-te no Ticho no meu grupo de blogs amigos... :) Espero ver-te por la mais vezes.

Um beijo

poetaeusou disse...

///
maria
retrataste muito bem,
as minhas(tuas)recordações.
/
amigo
se tu fores
um dia á nazaré
abrangendo o olhar
vereis com emoção
ficarás a saber
que esses
gigantes do mar
foram grandes
podes crer
mas afinal
não foram nada ...
/
jino
///

poetaeusou disse...

///
cátia
/
registo a tua sensibilidade
/
e
/
a tua emergente maturidade
/
parabens
/
conchinas maresiantes
para ti
///

=^.^= Tarina =^.^= disse...

Á homens de força.. Á homens do mar...
Com cheiro a maresia..
E o pirililipar das gaivotas? Humm...
Que cheiro a mar!

Tempos que já lá vão.. alguns que se mantêm...

Vida difícil esta...

1 beijo =^.^= tarina

poetaeusou disse...

***
tarina
*
igual á força
da tua juventude
ao cheiro á maresia
que exalas em ti
*
eu a gaivota
que pililipa
*
uma gaivota
pililipa pililipa
para a tarina
bem recuperar
para ver as ondinhas
para ver o mar
para poder cantas
as suas joaninhas
lálálálá lá lá lálá
*
buzios sonantes, para ti
***

Sininho disse...

"Não queiram voltar atrás":

A ÁGUA DO RIO NÃO PASSA DUAS VEZES SOB A MESMA PONTE.

Abrç»

Caçadora_de_sonhos disse...

Estas fotos fazem-me recordar a ida á praia, na costa de caparica ao fim da tarde, ver o puxar das redes :)

poetaeusou disse...

***
sininho
*
dá para cancionar ...
*
ó tempo
anda prá frente
*
abç
***

poetaeusou disse...

***
caçadora_de_sonhos
*
quando havia
praia e peixe
*
entra a luz
na minha casa
quando a visitas
*
xi)
***

Maria P. disse...

Desassossegam estas palavras, porém belas.

Um beijinho*

poetaeusou disse...

***
maria p.
*
uma data
sempre presente
e cravada
bem cravada
em mim
*
jinho)
***

wind disse...

Magnífica descrição das gentes da Nazaré e dos pescadorestodos, sem ser só daí.
beijos

poetaeusou disse...

///
wind
/
de todos os pescadores
*
dos de raul brandão
*
branquinho da fonseca
*
alves redol
uma fenda na muralha
onde estavas
real academia sueca
*
ji)
***

Luna disse...

A vida dos pescadores sempre foi muito dorida e ainda continua sendo, o mar que tanto gosto,que maravilha poetas, também traga homens
jinhos

bom dia isabel disse...

Duas fotografias que são dois documentos históricos.Vida dura esta que nos apresentas. O mar, que para muitos de nós é lazer, é para outros labor.Difícil quotidiano em que o pão é ganho com sangue, suor e lágrimas.
Gostei muito do poema apesar de me ter emocionado. Demonstras, mais uma vez, a tua apurada sensibilidade.
Beijinhos

poetaeusou disse...

***
LUNA
*
e quando o mar
traga feroz
os pescadores
que vão ganhar
o seu duro
e negro pão
deixas de ser
nazaré dos meus amores
fazes sofrer
e perdes toda a sedução
óóóó óóó´óóóó
*
jino

mari amar disse...

Poetaeu fosse e faria, para ti, os melhores poemas. De Fernando Pessoa deixo-te este.Penso ser o mais adequado ao teu poema de hoje.


Mar Português

Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!



Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu.

Deixo-te um beijo no cálice que hoje nos ofereces. Excelente poema.

poetaeusou disse...

***
bom dia isabel
*
menina,
menina bonita
para todos
é a nazaré
e o mar
que se agita
vendo-te tão
bonita
corando de desejo
envia á
isabel um beijo
em cada maré
*
b)
***

poetaeusou disse...

***
mari amar
*
Se aqui, à beira-mar, o meu indício
Na areia o mar com ondas três o apaga,
Que fará na alta praia
Em que o mar é o Tempo?
*
in) pessoa
*
tu serás o meu relógio ???
*
beijo
***

Doces Momentos disse...

Lindo e verdadeiro apesar de triste.
Gostei muito
Fica o desejo de um bom fim de semana e um beijo muito doce

serenidade disse...

Poeta,
lindas imagens,
lindo a conjugação de palavras que tocam a alma.
Já estive nessas praias e vi os pescadores voltarem da faina. Gosto muito de Nazaré.

Bom fim de semana.

Sereno sorriso Primaveril.

poetaeusou disse...

///
doces momentos
/
tempos distantes
de sacrificio
feitos actuais
/
alguns descendentes
da tua ria
via fenicios
que atravessaram o
estreito de gibraltar
pela nossa costa povoando,
chegaram ao delta de aveiro,
e as gafanhas da nazaré,
/
bfs
jino
///

poetaeusou disse...

***
serenidade
*
ai nazaré
que lindo é
ter a ventura
de ir ao sitio
para te olhar
ai nazaré
dizem que até
a tua formosura
faz-te rainha do mar
*
bfs
*
conchinhas da nazaré para ti
***

dacasadamathilde disse...

A vida do mar nunca foi fácil! Estas fotografias demonstram-no bem.Aqueles que dele arrancam o pão, fazem a felicidade do lar à custa de muito suor e, certamente, muitas lágrimas. O mar tudo dá e, também, tudo leva.
Beijinhos

poetaeusou disse...

/////////
dacasadamathilde
/
matilde, nome de mãe
matilde, minha neta é
matilde, que tal a nazaré ?
matilde, quero chamar-te... tambem
/
beijo
/////////